Publicidade

Correio Braziliense

Centenas de pessoas prestam homenagem às vítimas de tragédia em Janaúba

Familiares, amigos e moradores da cidade compareceram ao cemitério para prestarem tributos às crianças e à professora Heley Abreu


postado em 02/11/2017 14:21 / atualizado em 02/11/2017 14:39

Ver galeria . 7 Fotos Luiz Carlos Batista, marido da professora Heley Abreu, identifica o túmulo com foto da mulherLuiz Ribeiro/EM/D.A. Press
Luiz Carlos Batista, marido da professora Heley Abreu, identifica o túmulo com foto da mulher (foto: Luiz Ribeiro/EM/D.A. Press )

 
Centenas de pessoas visitaram o cemitério São Lucas, em Janaúba, Norte de Minas, cidade que ainda está comovida com a tragédia da creche Gente Inocente. No dia 5 de outubro, o vigilante Damião Soares Santos ateou fogo na unidade causando a própria morte e matando nove crianças e uma professora, e deixou mais de 40 pessoas feridas. O cemitério ficou movimentado com as visitas dos pais aos túmulos das crianças sepultadas ali, e, durante as homenagens, muitas pessoas também se sensibilizaram com o túmulo da professora Heley de Abreu Batista, de 43 anos, que morreu durante a tragédia tentando salvar as crianças.
 
 
No início desta manhã, muitas pessoas chegaram ao cemitério e procuraram pelo túmulo de Heley, que só foi identificado quando o marido, Luiz Carlos Batista, foi até o local e colocou uma foto da professora com o filho de quatro anos, que morreu em 2002. Luiz, que estava em companhia dos filhos adolescentes, Breno e Lívia, acendeu velas, depositou flores e orou pela mulher. 

 Moradores de Janaúba visitaram o túmulo da professora. Eliene Barroso disse que ela "foi uma guerreira". "Ela morreu no seu ofício por tentar salvar as crianças, pelas quais entregou sua vida", falou a dona de casa. A aposentada Marileide de Andrade também foi ao local e contou que já trabalhou na creche há nove anos "Ela perdeu a vida para salvar as crianças". 
Continua depois da publicidade

Quem também passou pelo tumulo da professora foi a agente comunitária Fernanda Michele Andrade: "Acho que a Heley tentou salvar as crianças porque não queria que as outras mães sentissem a mesma que dor que ela teve". 

Durante o dia, muitas famílias também prestaram homenagens aos filhos mortos em tragédia. Uma dessas pessoas foi Valdirene Santos, mãe de Matheus Felipe Rocha Santos, de 5 anos, nona criança morta na tragédia. "Sinto uma sensação estranha. É a primeira vez que venho ao túmulo do meu filho, e é como se ele estivesse junto a mim. Não sei explicar", falou Valdirene. 

A mãe de Ruan Miguel Soares Silva, 4, Janne Kelley disse que estar ali naquele momento era uma emoção muito grande: "É um dia muito triste, mas sinto ainda como se meu filho estivesse alegre e sorridente". 

Paulo Pereira dos Santos e Ana Paula da Cruz foram ao cemitério para levar flores e acender velas na sepultura do filho, Juan Pablo Cruz dos Santos, 4, vítima da tragédia. "Nunca imaginei que, neste dia, estaria no túmulo do meu filho. É uma dor de cortar o coração", contou o pai. "Eu não consigo falar o que estou sentindo. Não esperava prestar essa homenagem ao Juan", disse Ana Paula. 

"Um abraço pode mudar nossa vida"

Na entrada do cemitério, um grupo de jovens de Janaúba distribuiu abraços grátis. Os Desbravadores Pioneiros de Gorutuba seguravam cartazes com os dizeres "um abraço pode mudar o seu dia". Naiaja Caroline contou que foram ao local nesta data simbólica "com o espírito de consolar as pessoas. As vezes um abraço muda a nossa vida".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade