Publicidade

Correio Braziliense

Cerca de 40% das mulheres relataram ter sido assediadas sexualmente

Levantamento do Datafolha mostra que as ruas e o transporte coletivo são os locais onde a maioria da violência ocorre


postado em 23/12/2017 16:22

A cor da pele também influencia na quantidade de assédio. As orientais são as que mais relataram o problema, 49%(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
A cor da pele também influencia na quantidade de assédio. As orientais são as que mais relataram o problema, 49% (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)


Cerca de quatro em cada 10 mulheres já foram assediadas no Brasil é o que aponta pesquisa divulgada pelo instituto Datafolha neste sábado. Mais precisamente, 42% afirmaram já ter sofrido assédio sexual. Foram entrevistadas 1.427 brasileiras a partir dos 16 anos entre os dias 29 e 30 de novembro. A margem de erro do levantamento é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. 

Desse total, 29% conta ter vivido a violência na rua e 22% no transporte coletivo. Na sequência, aparece o local de trabalho (15%), escola ou faculdade (10%) e em casa (6%). 

Outro fator revelado na pesquisa é que quanto mais nova a mulher, mais casos de assédios são relatados. Entre mulheres de 16 anos a 24 anos 56% relataram a violência. Entre as de 25 a 34 anos (50%), 35 a 44 anos (45%). Por fim, entre as de 45 a 59 anos o índice cai para 34% e as com 60 anos ou mais fica em 24%. 

A cor da pele também influencia na quantidade de assédio. As orientais/amarelas são as que mais relataram o problema, 49%. Na sequência vieram as na cor preta (46%), parda (45%), branca (40%) e indígena (34%). 

O nível de escolaridade também foi verificado e o levantamento mostrou que as mulheres com ensino superior foram as mais assediadas, totalizando 57%. Já entre as que tem ensino médio 47% relataram ter sofrido assédio e 26% das que têm apenas o ensino fundamental. 

Outro ponto verificado é que mulheres que católicas que residem em cidades com menos de 50 mil habitantes da Região Nordeste do país foram menos assediadas. 

Entre as regiões com mais casos a Centro-Oeste é a campeã com 50%. Na sequência vem: Sudeste (49%), Norte (40%), Sul (37%) e Nordeste (34%). 

Em relação a vivência religiosa as que não acreditam em Deus sofreram mais. 77% das ateias afirmaram ter sofrido assédio. Seguidas pelas espirítas Kardecista (72%), Não tem religião (68%), religiões Afro-Brasileiras (59%), Evagélicas (47%), outra religião (39%) e Católicas (32%).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade