Publicidade

Correio Braziliense

Apreensões de fuzis no Estado do Rio crescem 32,5% em 2017

De janeiro a dezembro de 2017, dos 499 fuzis automáticos apreendidos, 370 estavam na capital do Rio de Janeiro


postado em 22/01/2018 14:39

As apreensões de fuzis no Estado do Rio de Janeiro bateram recorde histórico em 2017. Ao todo, foram apreendidas 499 fuzis automáticos, 130 a mais do que no ano anterior ou 32,5%. Os dados foram divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP).

De janeiro a dezembro de 2017, dos 499 fuzis automáticos apreendidos, 370 estavam na capital. O número quase igual ao de 2016, quando 369 fuzis foram apreendidos na capital do estado.

De acordo com o secretário de estado de Segurança Pública, Roberto Sá, “esse é o desdobramento de uma diretriz de redução de mortes violentas, fazendo com que as polícias Civil e Militar busquem tirar de circulação armas com alto poder de destruição das mãos de criminosos. O número é muito expressivo e deve provocar uma reflexão da sociedade”, avaliou.

Ao todo, foram apreendidas 8.705 armas no estado em 2017, sendo 2.929 no interior, 2.662 na capital, 2.042 na Baixada Fluminense, 715 na região da Grande Niterói, entre outras.

No início de junho de 2017, a Polícia Civil fez a maior apreensão de fuzis da história do Estado do Rio de Janeiro, no Aeroporto Internacional Tom Jobim: 60 fuzis estavam escondidos dentro de aquecedores para piscinas.

Grupo Integrado


Para combater o armamento pesado por criminosos, a secretaria estadual de segurança implantou medidas estruturantes como o Grupo Integrado de Operações de Segurança Pública (Giosp), que reúne as inteligências da Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, da Polícia Rodoviária Federal, da Polícia Civil, da Polícia Militar e da Secretaria  de Administração Penitenciária, sob coordenação da Subsecretaria de Inteligência.

Os relatórios do Giosp já permitiram elucidar crimes, identificação de criminosos, prisões e apreensões pelas polícias, que são as destinatárias das informações produzidas pelo grupo integrado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade