Publicidade

Correio Braziliense

Acnur afirma que 24 mil venezuelanos pediram asilo no Brasil

Segundo a Acnur, em 2017, o Brasil registrou uma população de 10,1 mil refugiados reconhecidos, provenientes de mais de 80 países diferentes


postado em 19/02/2018 20:15

(foto: Danilo Verpa/Folhapress)
(foto: Danilo Verpa/Folhapress)
 
O alto comissário das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), Filippo Grandi, se comprometeu a buscar ajuda no exterior para ajudar o Brasil com a situação dos refugiados. A declaração foi feita na tarde desta segunda-feira (19/2), após uma reunião com o presidente Michel Temer. A estimativa é que 24 mil venezuelanos tenham pedido, oficialmente, asilo no país. No entanto, Grandi garantiu que o número de imigrantes é ainda maior.

 “Isso não é o total de venezuelanos. É apenas os que pediram refúgio oficialmente”, comentou o alto comissário. “Esperamos que essa situação na Venezuela se regularize logo”, completou. Grandi está no Brasil para participar de um evento para discutir a situação dos refugiados na América Latina e Caribe. O encontro trouxe representantes de outros 36 países. 

Segundo a Acnur, em 2017, o Brasil registrou uma população de 10,1 mil refugiados reconhecidos, provenientes de mais de 80 países diferentes. Ao todo, mais de 30 mil pedidos de asilo ainda estão em fase de avaliação. Pela manhã, Grandi já havia falado sobre a importância de existir estratégias para transformar a vida dos refugiados no país, já que muitos têm dificuldades de se adaptar pela cultura ou pela dificuldade com o idioma. Ele também acredita que é crescente o número de imigrantes que fogem de conflitos nos países de origem. “Todos os dias, milhares de mulheres, homens e crianças fazem a mais difícil escolha da vida: viver afastado de tudo que é perto para eles, e fugir em busca de segurança”, disse. “Eles são forçados a deixar as suas casas por causa da pobreza, violência e perseguição”, completou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade