Publicidade

Correio Braziliense

Filha de Marielle Franco tatua rosto da mãe no braço: 'Na minha memória'

O trabalho foi feito pelo tatuador carioca Magrão Kovok, que também compartilhou nas redes sociais a arte feita com o rosto da vereadora


postado em 27/03/2018 13:22 / atualizado em 27/03/2018 14:01

(foto: Reprodução/Facebook)
(foto: Reprodução/Facebook)


A filha da veradora Marielle Franco, Luyara Santos, homenageou a mãe, assassinada a tiros no Rio de Janeiro, com uma tatuagem do rosto dela no braço esquerdo. Luyara, de 19 anos, compartilhou a homenagem em seu perfil do Instagram nessa segunda-feira (27/3). “Marcada na minha memória, no meu coração, na minha vida e agora na minha pele”, escreveu a jovem.

 

Apenas 14 horas após a publicação, a foto de Luyara já tem mais de 1,7 mil curtidas e 160 comentários. Entre as mensagens deixadas pelos usuários, destacam-se elogios e frases de conforto. “Muita força pra você!!! A gente, que é cria da favela, sabe como é duro, mas tem que continuar levantando todos os dias”, comentou uma internauta. 

 

O trabalho foi feito pelo tatuador carioca Magrão Kovok, que também compartilhou a arte. “Trabalho feito na minha nova amiga, Luy Franco, filha de Marielle Franco. Marielle de todas as cores. Uma honra.”

 

Ambos, Luyara e Magrão, utilizaram a hashtag #MariellePresente, que vem sendo vista constantemente nas redes sociais como um grito de luta desde a morte da vereadora. Somente no Instagram, a hashtag já foi utilizada mais de 90 mil vezes.

 

Assassinada a tiros no Rio

 

Em 14 de março, a vereadora do PSol, voltava de um evento chamado “Jovens Negras Movendo Estruturas”, na Lapa, quando um carro emparelhou com seu veículo e, dele, foram feitos ao menos nove disparos. 

 

Segundo as investigações da polícia, quatro tiros atingiram Marielle na cabeça. Além da vereadora, o motorista Anderson Gomes também foi atingido e faleceu. A assessora de Marielle, que estava ao seu lado na hora do ocorrido, saiu ilesa.

 

Marielle era socióloga e militante na defesa dos direitos humanos e lutava contra a violência nas favelas. Ela acompanhava, na função de vereadora, a intervenção federal na segurança pública do Rio. Foi a quinta vereadora mais votada do Rio e morreu aos 38 anos.

 

*Estagiária sob supervisão de Jacqueline Saraiva 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade