Publicidade

Correio Braziliense

Acusados de matar a travesti Dandara vão a júri popular esta semana

Assassinato da travesti foi filmado por seus algozes, que divulgaram as imagens das redes sociais


postado em 02/04/2018 17:02

Dandara foi assassinada em fevereiro de 2017. Caso ganhou repercussão mundial(foto: Arquivo pessoal/divulgação)
Dandara foi assassinada em fevereiro de 2017. Caso ganhou repercussão mundial (foto: Arquivo pessoal/divulgação)

 
Os acusados pela morte da travesti Dandara Kataryne, de 42 anos, em Fortaleza, vão nesta quinta-feira, (5/4) a júri popular para serem julgados por causa do assassinato que chocou o mundo. Dandara foi assassinada em fevereiro deste ano a chutes, pauladas e tiros. Os próprios algozes registraram as agressões num vídeo que circulou nas redes sociais.

Doze pessoas são acusadas de estarem envolvidas no assassinato de Dandara, sendo quatro adolescentes. O MPCE ofereceu denúncia contra os oito adultos por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe e fútil, com tortura e impossibilidade de recurso da vítima). Dois dos acusados ainda estão foragidos, inclusive o motoqueiro acusado de ter levado a travesti para o local do crime.

As imagens do vídeo que rodou o mundo mostram algozes torturando com chutes e pauladas Dandara – nome adotado pela travesti aos 18 anos. Liderados por um adolescente de 17 anos, os agressores colocam a travesti num carrinho de mão e a levam para a execução, com dois tiros e uma pedrada. O linchamento foi em plena luz do dia, no Bairro Bom Jardim – a cerca de quatro quilômetros da casa de Dandara.

“Não queremos que Dandara seja mais uma estatística. Esse poderá ser um caso emblemático. Apesar de não haver tipificação de crime homofóbico, essa motivação fica clara”, afirma o promotor da 1ª Promotoria do Tribunal do Juri do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), Marcus Renan Palácio. O MP pede condenação pela pena máxima para homicídio, 30 anos. 

Na denúncia, o promotor descreve: “Logo após descer daquele veículo, Dandara foi submetida a extremo sofrimento físico face às agressões corporais que se lhe impuseram os acusados, os quais, impiedosamente, a espancaram, a mais não poder, sem qualquer sentimento de piedade e humanitário no que se constituiu numa verdadeira barbárie”.

Em março, a Redação refez os caminhos da travesti cujo brutal assassinato se tornou símbolo de luta no país que mais mata transexuais. Em novembro, o filme 'Dandara', uma co-produção da produtora Mult e do Jornal Estado de Minas, venceu o Prêmio Canal Brasil de Incentivo ao Curta-Metragem, no Festival Mix Brasil de Cinema da Diversidade. No sábado (7/4), ele será exibido na II Mostra Internacional de Cinema em Cores, no Cine Humberto Mauro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade