Publicidade

Correio Braziliense

Naufrágios deixam mortos e desaparecidos em Sepetiba, no Rio de Janeiro

Embarcações foram alugadas por 20 pessoas que participariam de uma pescaria na Baía de Sepetiba


postado em 08/06/2018 09:37 / atualizado em 08/06/2018 13:26

Subiu para quatro o número de corpos resgatados no mar por equipes que atuam na procura de sobreviventes de duas embarcações pesqueiras que naufragaram na madrugada desta sexta-feira (8/6), próximo ao Porto de Itaguaí, região metropolitana do Rio. Os dois barcos de pesca levavam 21 pessoas e teriam afundado por causa da chuva e do vento. O naufrágio ocorreu perto do Porto de Sepetiba.

As duas embarcações “Lucas Mar” e “Guto I” foram alugadas por 20 pessoas que participariam de uma pescaria na Baía de Sepetiba. De acordo com o comando do 1° Distrito Naval, os naufrágios ocorreram na região da Laminha. Os barcos eram tripulados por dois barqueiros que conheciam a região.

A Delegacia da Capitania dos Portos em Itacuruçá informou, em nota, que  “as embarcações levavam 22 pessoas, das quais 12 foram resgatadas até o momento e  encaminhadas para hospitais da região, sendo que quatro vieram a óbito. As equipes envolvidas seguem nas buscas pelos desaparecidos”. Dez pescadores não foram encontrados.

Nesta madrugada, a Marinha enviou quatro embarcações de busca e salvamento ao local, além de duas embarcações do Corpo de Bombeiros em buscas pelos tripulantes. Um helicóptero e uma patrulha da Marinha foram para a região auxiliar no resgate.

As causas do naufrágio e as responsabilidades dos envolvidos serão apuradas em inquérito instaurado pela Marinha. As vítimas foram conduzidas para o Hospital Municipal Pedro II e para a UPA de Santa Cruz, na zona oeste do Rio, informou o Corpo de Bombeiros. 

Rosemeri Amaral, cunhada de um dos desaparecidos, Neilton Andrade, de 57 anos, disse que ele costumava pescar com os amigos por hobby. Segundo ela, um dos sobreviventes contou que uma forte ventania e uma chuva de granizo atingiram a embarcação, que acabou afundando. "Não estávamos preocupados porque eles costumavam fazer isso há muitos anos e sempre com o mesmo barco", contou. "Essa espera é angustiante", afirmou.

Neilton é açougueiro e tem quatro filhos, um deles está no porto da Ilha da Madeira, em busca de informações sobre o pai. No barco em que Neilton estava havia 12 amigos a maioria de Comendador Soares.

A operação de buscas pelos desaparecidos segue, "com apoio de guarda-vidas, embarcações, mergulhadores e sobrevoos de aeronave", diz uma nota divulgada pela assessoria de imprensa do Corpo de Bombeiros. Neste momento, os bombeiros fazem o reconhecimento das vítimas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade