Publicidade

Correio Braziliense

Menina de 4 anos morre após ser picada por escorpião

Familiares culpam a demora no atendimento da criança ao ser transferida para os outros municípios


postado em 11/07/2018 15:18 / atualizado em 11/07/2018 18:37

(foto: Leonardo Arruda/CB/D.A Press)
(foto: Leonardo Arruda/CB/D.A Press)
 
Foi sepultado na manhã desta quarta-feira (11/7) o corpo de Yasmin Lemos de Campos, de 4 anos, vítima de um escorpião em Cabrália Paulista. Yasmin foi picada quando brincava no quintal de casa e foi levada ao posto de saúde local para receber os primeiros atendimentos. De lá, foi transferida para o hospital de Duartina, município a 10 quilômetros de distância.

O hospital, porém, não tinha soro que combate o efeito da picada A menina foi, então, levada para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), em Bauru, onde acabou morrendo na noite desta terça-feira (10/7), pouco depois de receber a medicação. 

Familiares culpam a demora no atendimento da criança ao ser transferida para os outros municípios. O caso deverá ser objeto de investigação por parte da Polícia Civil.

Vítimas


Com o período de estiagem, ataques de escorpiões têm se multiplicado nas últimas semanas em cidades paulistas. Em Sumaré, um menino morreu no último sábado (7/7), seis dias após ser picado ao calçar um tênis. 

Nicolas Benette residia em um condomínio com infestação de escorpiões. "Assim que sentiu a picada, ele já saiu correndo e gritando", conta Renata Benette, mãe do garoto. Ele chegou a ser socorrido e levado ao hospital, mas não resistiu.

Em abril, outro menino, de 6 anos, também foi vítima de um escorpião, em Barra Bonita. Sem soro na cidade, Bryan Gabriel Alves foi mandado para o hospital de Jaú, onde acabou falecendo


Prevenção


Em Americana, 234 pessoas foram picadas no primeiro semestre deste ano. Segundo o veterinário José Brites Neto, na cidade a maioria dos ataques envolve a espécie Tityus Serrulatus (escorpião amarelo). "O seu veneno possui efeito neurotóxico maior do que o encontrado na espécie marrom", explica.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade