Publicidade

Correio Braziliense

Corpo de mulher que morreu após procedimento estético no RJ é velado em MT

Lilian morreu após um procedimento cirúrgico de estética no último sábado (14/7) no Rio. A polícia procura pelo médico


postado em 18/07/2018 07:39

Lilian Calixto morreu após realizar um procedimento nos glúteos (foto: Reprodução/Facebook )
Lilian Calixto morreu após realizar um procedimento nos glúteos (foto: Reprodução/Facebook )

 
O corpo da bancária Lilian de Lima Calixto, de 46 anos, está sendo velado na capela do Cemitério Parque Bom Jesus na cidade de Cuiabá, em Mato Grosso. O enterro está previsto para esta manhã, às 8h. Lilian morreu após um procedimento cirúrgico de estética no último sábado (14/7) no Rio. A polícia procura pelo médico.

A cirurgia foi realizada pelo médico Denis Cesar Furtado, no apartamento de cobertura dele na Barra da Tijuca. Horas depois, quando jantava com Denis em um restaurante no bairro, começou a passar mal e foi levada pelo médico para o Hospital Barra D’Or. A bancária chegou à unidade hospitalar em estado grave. Ela morreu na madrugada de domingo (15/7).

Após deixar Lilian no hospital, Denis ligou para a família e avisou sobre o seu estado de saúde e da internação. Desde então está desparecido e é procurada pela polícia. Os policiais estiveram no apartamento dele, onde colheram provas do procedimento cirúrgico. O juiz Paulo Cesar Vieira de Carvalho Filho, da 1ª Vara Criminal da Capital, decretou a prisão temporária do médico.

O filho da vítima, Victor Calixto Gasques, de 25 anos, disse nas redes sociais, que a família está revoltada com o que aconteceu e pede justiça. “Ninguém consegue aceitar essa perda, porque não foi uma coisa natural, foi um erro médico. A gente quer muito justiça, pra acalmar a nossa família, porque a gente perdeu a pessoa mais preciosa da nossa vida”, disse.

As demais pessoas suspeitas de estarem ligadas à ocorrência, inclusive a mãe do médico, Maria de Fátima Barros Furtado, que teve o registro cassado pelo Conselho Regional de Medicina do Rio, em 2015, mas exercia a medicina ilegalmente. Ela também teve a prisão decretada pela Justiça e está desaparecida.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade