Publicidade

Correio Braziliense

Jungmann: apurações do caso Marielle rompem blindagem de 'coalização satânica'

O ministro não quis dar outros detalhes da apuração do caso, e nem quis comentar a prisão do governador do RJ, Luiz Fernando Pezão


postado em 30/11/2018 19:33 / atualizado em 30/11/2018 19:33

(foto: Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
  

 

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse nesta sexta-feira (30/11), que a investigação da Polícia Federal sobre os entraves às apurações do caso Marielle rompem a blindagem de uma "coalização satânica" que existe entre crime organizado, agentes públicos e políticos no Rio de Janeiro.

Jungmann não quis comentar a prisão do governador Luiz Fernando Pezão nem deu novos detalhes da apuração de Marielle. Voltou a dizer que havia uma "metástase" entre crime organizado e corrupção no Estado e que a intervenção federal, que se encerra em 31 de dezembro, deixará um legado ao reestruturar a área de segurança do Rio.

Nesta sexta-feira, o ministro anunciou o repasse de R$ 20 milhões do Gabinete de Intervenção Federal para o Centro Integrado de Segurança Marítima (Cismar) da Marinha. Os recursos serão investidos na aquisição e instalação de equipamentos para monitoramento da Baía da Guanabara e de todo o litoral do Rio de Janeiro. É um projeto-piloto que deve ser expandido para todas as fronteiras, inclusive lagos e rios, como as Bacias do Paraná e Amazônica e a Tríplice Fronteira.

A integração entre os órgãos de segurança pública e a Marinha do Brasil tem como objetivo impedir a entrada e saída de drogas e mercadorias, inclusive armamento, no país. "Estamos fechando o mar para o crime organizado. Esse sistema deverá estar integralmente funcionando no segundo semestre do próximo ano", disse o ministro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade