Publicidade

Correio Braziliense

Congresso Nacional aprova intervenção federal em Roraima

Medida do presidente Michel Temer foi tomada por conta da crise na segurança pública do estado


postado em 12/12/2018 17:47

(foto: Mauro Pimentel/AFP)
(foto: Mauro Pimentel/AFP)

O plenário do Senado aprovou, na tarde desta quarta-feira (12/12), a intervenção federal em Roraima. O decreto do presidente Michel Temer, assinado na segunda-feira (10/12) e já colocado em prática no mesmo dia, foi aprovado ontem pela Câmara dos Deputados. Agora, a medida segue para promulgação. 

O governador eleito do estado, Antonio Denarium (PSL), foi nomeado por Temer como interventor e substitui a governadora Suely Campos (PP). Na prática, ele praticamente antecipa a posse. Contudo, até 31 de dezembro, fica subordinado ao presidente do Brasil e só a partir de 1º de janeiro passa a atuar como chefe do executivo local.  

A medida foi tomada por conta da crise na segurança pública do estado. Agentes penitenciários e policiais militares estão paralisados, com salários e benefícios atrasados. "A governadora Suely não pagava salários, não transferia ICMS obrigatório para os municípios e os municípios também não pagavam os salários. Agentes penitenciários não trabalhavam mais, não havia viatura de polícia na rua, nem medicamento nos hospitais, gasolina para ambulância, a delegacia não ficava aberta para receber qualquer tipo de ocorrência", ressaltou o líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR) durante a sessão. 

O senador afirmou ainda que, com a aprovação do decreto, haverá uma medida provisória a ser editada por Temer que destina crédito extraordinário de até R$ 200 milhões para Roraima. O valor será usado para o pagamento de servidores públicos e outras despesas necessárias pelo estado.

A intervenção federal de Roraima é a segunda decretada este ano pelo governo Temer. A primeira ocorreu no Rio de Janeiro, em fevereiro, pela falta de segurança no estado. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade