Publicidade

Correio Braziliense

Protesto marca segunda morte de PM no Rio em menos de 48 horas

Cartazes com as fotos dos policiais mortos e textos sobre as circunstâncias dos crimes foram afixados na grade que separa a Lagoa Rodrigo de Freitas da ciclovia


postado em 07/01/2019 20:35

Fotos dos PMs Mariotti e Miqueias chamam a atenção de quem passa pela Lagoa (foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)
Fotos dos PMs Mariotti e Miqueias chamam a atenção de quem passa pela Lagoa (foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

A morte do segundo policial militar (PM) em menos de 48 horas gerou protesto da organização não governamental (ONG) Rio de Paz, na Lagoa Rodrigo de Freitas, zona sul da cidade. Cartazes com as fotos dos policiais mortos e textos sobre as circunstâncias dos crimes foram afixados na grade que separa a lagoa da ciclovia, chamando a atenção de motoristas e ciclistas que passavam pelo local.

O soldado Daniel Henrique Mariotti morreu durante um assalto, sábado (5) à noite, na Linha Amarela, e o soldado Miqueias Marinho Ribeiro morreu na manhã desta segunda-feira (7), quando saia da casa de seu pai, em Engenheiro Pedreira, Japeri. O ato foi organizado pelo coordenador da ONG, Antônio Carlos Costa, que defende os direitos humanos para qualquer cidadão, "seja ele fardado ou não", como faz questão de frisar.

“O apelo ao governo é que o Estado ofereça melhores condições de trabalho a esses profissionais. Ampare suas famílias, quando eles são mortos. Que as operações policiais nas favelas sigam critérios de inteligência. E que o peso da segurança pública não esteja apenas sobre os ombros dos policiais. As demais secretarias de estado têm que estar envolvidas. Tem que haver um discurso de combate à desigualdade social, pois a miséria está por trás dessa tragédia toda”, disse Costa.

Ele acrescentou que, em algum momento, a sociedade brasileira vai ter que discutir se vale a pena continuar com a chamada guerra às drogas, que vitima pessoas de ambos os lados e produz uma multidão carcerária, ou se é melhor liberar o consumo, como têm feito vários países e alguns estados dos Estados Unidos.

O governador Wilson Witzel foi ao sepultamento de Mariotti no domingo (6) e depois disse, em entrevista à imprensa, que será implacável com o crime organizado. No ano passado, 95 policiais militares foram mortos no estado do Rio, tanto os que estavam em serviço quanto os que estavam de folga.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade