Publicidade

Correio Braziliense

Bombeiros buscam jovem que sumiu no Rio Tietê após fugir de cativeiro

Leonardo dos Santos Felipe, de 18 anos, e um tio foram sequestrados por quadrilha na quarta-feira; eles conseguiram escapar, mas rapaz desapareceu ao atravessar o rio


postado em 14/01/2019 11:18 / atualizado em 14/01/2019 11:18

 

 

O Corpo de Bombeiros retomou, na manhã desta segunda-feira (14/1), as buscas por um jovem de 18 anos, desaparecido desde a quarta-feira (9/1), quando tentou atravessar o Rio Tietê para escapar de um cativeiro, em Arujá, na Grande São Paulo.

Leonardo dos Santos Felipe ajudava o tio, Nereu Duarte Felipe, na entrega de uma carga de cola de madeira, quando foram rendidos por uma quadrilha. Eles foram levados vendados para um cativeiro, na margem do rio, e aproveitaram um descuido dos criminosos para fugir. O tio cruzou as águas e escapou, mas o jovem, que não sabia nadar, desapareceu.

A família de Leonardo mora em Votorantim, cidade do interior de São Paulo, onde também fica a empresa em que trabalhava. De acordo com familiares, o rapaz e o tio saíram de manhã para fazer a entrega de cola quando foram rendidos por três ocupantes de um carro no Rodoanel de São Paulo. Os dois foram colocados no automóvel e levados para o cativeiro, em uma casa em ruínas.

Durante a noite, o tio percebeu que a vigilância havia afrouxado, chamou o sobrinho e ambos saíram da casa e acabaram entrando no rio, coberto de vegetação aquática. O homem conseguiu atravessar para pedir socorro na rodovia, mas Leonardo desapareceu.

As buscas começaram na manhã seguinte, depois que o tio foi socorrido e pediu ajuda à polícia. O caminhão foi encontrado de tarde, na mesma região, com grande parte da carga. Criminosos usaram o cartão de Leonardo para sacar R$ 1,5 mil de sua conta em um shopping da cidade de São Paulo. Ele guardava o dinheiro para tirar a carteira de habilitação.

A Polícia Civil tenta rastrear o celular roubado do rapaz para chegar aos criminosos. Quatro equipes do Corpo de Bombeiros se revezam nas buscas, usando botes infláveis. A poluição do rio e o excesso de plantas aquáticas dificultam o trabalho. O pai e o tio de Leonardo acompanham as buscas no local.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade