Publicidade

Correio Braziliense

Antes de morrer, menina deixa carta agradecendo voluntária que a visitava

A estudante de Direito Gabriella Pereira publicou a mensagem de Júlia, que morava em um abrigo para crianças, nas redes sociais. Até o momento, são mais de 40 mil curtidas e 21 mil compartilhamentos


postado em 15/01/2019 16:32

Gabriella visitava Júlia pelo menos quatro vezes por semana no abrigo para crianças, no interior de São Paulo(foto: Reprodução/Facebook )
Gabriella visitava Júlia pelo menos quatro vezes por semana no abrigo para crianças, no interior de São Paulo (foto: Reprodução/Facebook )
 
Uma voluntária, estudante de Direito, e uma menina de 8 anos. A história das duas se cruzou e acabou viralizando nas redes sociais na última semana. Até o momento, são 40 mil curtidas e 21 mil compartilhamentos. Gabriella Pereira costumava visitar Júlia, de 8 anos, diagnosticada com leucemia, em um abrigo de Carapicuíba, na Grande São Paulo. 

(foto: Reprodução/Facebook )
(foto: Reprodução/Facebook )
Júlia não sobreviveu, mas em uma agenda deixou em carta endereçada a Gabriella toda sua gratidão. em várias páginas, publicadas no Facebook um dia depois da morte de Júlia, estão descritas palavras que emociaram os internautas.
 
"Quero pedir obrigado por me conhecer por vim me ver e por me dar o video game que te pedi, eu sabia que era muito caro e pra comprar o video game precisa vender uma casa, mesmo assim você me deu"...referia-se à voluntária. No texto postado no Facebook, Gabriella conta que conheceu Júlia há cerca de dois anos, em um abrigo de crianças abandonadas, que esperavam ser adotadas. "...Nesses trabalhos sociais que faço, desde então, não era mais um trabalho, era amor. Dia das crianças, aniversário, Natal, entre outras datas, sempre tive comigo que precisava dar uma passadinha pra ver a magrelinha, pq as outras crianças tinham alguém que visitava e ela tinha apenas eu", conta a estudante de Direito.

Gabriella explicou que a irmã de Júlia tinha sido adotada quando ainda era bebê, mas como ela tinha oito anos e estava doente, travava uma luta pela vida. 

No texto, Gabriella termina fazendo um apelo. "Só faço aqui, um pedido as mães que colocam crianças no mundo e abandonam, vocês não fazem idéia do que é uma criança crescer sem ter um apoio fixo, é um funcionário do orfanato que dá um pouco de atenção, depois um enfermeiro que pega amor, ou a mãe de um coleguinha que leva um presente no Natal, ou às vezes, a mãe do coleguinha está em uma viagem, o enfermeiro trocou de plantão e o funcionário trocou de emprego, nessas horas ela está sozinha novamente. Não tem quem ensinar a escrever, não tem quem ensinar a segurar o garfo nas refeições, não tem quem fazer um penteado no cabelo, e nem passar o batom que ela tanto gostava."

 Junto com a agenda enviada à Gabriella, estava também o batom cor de rosa, "que ela tanto amava". 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade