Publicidade

Correio Braziliense

Netflix mantém preços no Brasil apesar de aumentos no exterior

Apesar de ter anunciado o aumento dos preços nos planos negociados nos EUA, a Netflix não aumentou os valores dos planos vendidos no Brasil


postado em 15/01/2019 17:34

Segundo a Netflix, alterações de preços acontecem de maneira restrita para cada mercado(foto: AFP)
Segundo a Netflix, alterações de preços acontecem de maneira restrita para cada mercado (foto: AFP)
 
A Netflix elevou os preços de todos os seus planos de assinatura nos Estados Unidos, uma medida que dará à gigante de streaming mais flexibilidade para continuar com seus gastos agressivos com conteúdo diante de um cenário mais acirrado de competição no mercado. A companhia aumentará o preço de seu plano mais popular em 18%, de US$ 11 para US$ 13. Já o plano mais básico da companhia terá seu valor aumentado de US$ 8 para US$ 9 por mês.

"Alteramos os preços periodicamente à medida que continuamos investindo em entretenimento e melhorando a experiência global da Netflix em benefício de nossos membros", disse um porta-voz da companhia. Os novos preços entrarão em vigor imediatamente para novos clientes e serão aplicados às contas de clientes existentes nos próximos meses, de acordo com fontes familiarizadas com os planos.

Brasil


Apesar de ter anunciado o aumento dos preços nos planos negociados nos EUA, a Netflix não aumentou os valores dos planos vendidos no Brasil. Em nota, a empresa disse que "aumentou os preços nos Estados Unidos e em alguns mercados da América Latina e do Caribe onde a cobrança é feita em dólares, o que não inclui o Brasil". 

Segundo a Netflix, alterações de preços acontecem de maneira restrita para cada mercado, de forma que o aumento no mercado americano não é indicativo de mudanças em outras regiões. 

Os planos da Netflix subiram entre US$ 1 e US$ 2 nos Estados Unidos. A medida é parte de uma política de empresa de aumentar investimentos em produções próprias. 

A notícia animou investidores: os papéis da companhia na Nasdaq operavam em alta de 6,81% às 16h38 (de Brasília).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade