Publicidade

Correio Braziliense

Internautas lançam hashtag para contar histórias sobre posse de arma

#SeEleTivesseArmado conta alguns relatos sobre momentos que teriam um fim diferente, se alguém estivesse portando uma arma de fogo


postado em 17/01/2019 12:40

(foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press)
(foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press)
 

 

Impulsionados pela aprovação do decreto do presidente Jair Bolsonaro que libera a posse de arma, internautas lançaram a hashtag #SeEleTivesseArmado pelo Twitter, para contar histórias que teriam um fim diferente, caso alguém estivesse com uma arma de fogo. Até políticos e ativistas que criticam o decreto assinado pelo presidente postaram seus relatos. 

 

Muitos dos casos contam momentos em que as pessoas se sentiram vulneráveis, mas que nada mais grave aconteceu pois não havia ninguém armado. Outros relatos contam tragédias que aconteceram por causa do uso de arma de fogo. 

 

"Recentemente um vizinho invadiu minha casa, ele bêbado pedia algo pra vender e me assediou. Se ele tivesse uma arma?", questionou uma usuária do microblog. 

 

Em contrapartida, outros usuários começaram a publicar uma discussão contrária com a hashtag #SeEleNãoEstivesseArmado, em crítica. Outra usuária comentou que "se ele não estivesse armado (o criminoso), eu não teria entregado meus pertences que trabalhei para pagar, e não teria sido humilhada a ponto de pedir desculpas pro assaltante porque segundo ele era para eu 'agilizar a parada'", escreveu. 

 

Pelo Twitter, o presidente comentou que "falácias" estão sendo usadas a respeito da posse de armas. " A pior delas conclui que a iniciativa não resolve o problema da segurança pública. Ignorando o principal propósito, que é 'iniciar' o processo de assegurar o direito inviolável à legítima defesa", disse. 

 

Ainda por meio do microblog, Bolsonaro completou que medidas para a segurança pública ainda serão tomadas e propostas. "Os problemas são profundos, principalmente pelo abandono dos governos anteriores. Mal dá pra resolver tudo em 4 anos, quem dirá em 15 dias de governo", escreveu. 

 

Veja algumas das histórias abaixo:  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade