Publicidade

Correio Braziliense

Ataques continuam no Ceará. Até o momento, 403 suspeitos foram presos

Como medida de segurança, veículos de concessionárias de energia, trabalham escoltados, assim como veículos de coleta de lixo. Policiais militares também reforçam postos de saúde e hospitais


postado em 21/01/2019 19:49

(foto: José Cruz/Agência Brasil)
(foto: José Cruz/Agência Brasil)
Há vinte dias, criminosos aterrorizam o estado do Ceará. Desde o dia 2, cerca de 48 cidades sofreram com mais de 200 ataques a ônibus e prédios públicos. Entre domingo e hoje, foram contabilizados ao menos cinco. Um caminhão de lixo foi incendiado na cidade de Jaguaruana, no Vale do Jaguaribe nesta segunda. A Escola Municipal de Ensino Fundamental Geralda Bonifácio Rodrigues, em Saquim, e a Escola Liceu José Maria Monteiro, no distrito de Almofala, foram incendiadas em Itarema, no Litoral Oeste do estado. Na primeira, o estrago foi debelado por intervenção dos moradores. Já na segunda, carteiras e materiais escolares foram destruídos. Um ônibus também foi queimado no Bairro Mondubim, em Fortaleza. 

Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), 403 suspeitos foram capturados por envolvimento nos atos criminosos registrados no Ceará até a tarde desta segunda-feira (21/1). Como medida de segurança, veículos de concessionárias de energia, trabalham escoltados, assim como veículos de coleta de lixo. Policiais militares também reforçam postos de saúde e hospitais.

As sucessões de ataques são atribuídos a facções criminosas como o Comando Vermelho (CV) e os Guardiões do Estado (GDE) e seriam motivados por conta do anúncio do secretário de Administração Penitenciária, Luís Mauro Albuquerque, que afirmou  o endurecimento das regras no sistema prisional do estado, como a retirada de tomadas das prisões.

Na semana passada, em reunião em Brasília, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), pediu ajuda ao ministro Sérgio Moro para reforçar o número de agentes penitenciários do Estado com 90 profissionais. A previsão é de que a equipe chegue nesta terça-feira (22/1) ao estado. Segundo o governador, houve queda significativa no número de ataques nos últimos dias, mas defendeu a continuidade do estado de alerta das forças estaduais e nacionais como forma de evitar reações das facções criminosas. 

Ainda não houve acerto em relação a prorrogação da Força Nacional no Estado, pois segundo o governador, a situação será avaliada até o fim desse período para ver se haverá necessidade de continuidade. Mais de 400 homens e mulheres da Força Nacional estão no território. O Ministério da Justiça também confirmou o envio de um reforço de 355 agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

No último dia 14, o governador Camilo Santana (PT), assinou um decreto que regulamenta a lei da recompensa e oferece o pagamento de R$ 1 mil a R$ 30 mil para quem prestar informações que levem a polícia à elucidação de crimes, à localização de pessoas procuradas pelos órgãos de segurança e à identificação e localização de bens móveis ou imóveis pertencentes a membros de organizações criminosas. Como parte das medidas, o governo do Ceará convocou 800 policiais e bombeiros militares da reserva. 

Áudios que teriam sido compartilhados por facções criminosas indicam que os ataques partiram de dentro dos presídios cearenses. O conteúdo das mensagens foi descoberto após apreensão de mais de 400 aparelhos celulares pela polícia. 

Por meio das redes sociais, o governador Camilo afirmou que o Ceará tem investido cada vez mais no fortalecimento da polícia e na organização do sistema prisional, como parte dos três eixos de combate à violência, juntamente com os investimentos em educação. “Estamos firmes para superar esse desafio, enfrentar o crime e tornar nosso Estado cada vez mais seguro para todas as famílias cearenses”, apontou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade