Publicidade

Correio Braziliense

País tem tecnologia para evitar catástrofes como de Brumadinho, diz Pontes

Ministro destacou que a pasta é responsável pelo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais, mas que falta orçamento para aplicar as tecnologias existentes


postado em 25/01/2019 19:38

(foto: Flávia de Quadros/Divulgação)
(foto: Flávia de Quadros/Divulgação)
O ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Marcos Pontes, afirmou, nesta sexta-feira (25/1), que o país tem muitas tecnologias para ajudar na prevenção de acidentes como o que ocorreu hoje na barragem da Vale em Brumadinho (MG), mas destacou que falta orçamento para dar a cobertura adequada ao país. “Temos tecnologias tanto para a prevenção quanto para o acompanhamento das emergências”, disse, após uma coletiva de imprensa para divulgar a programação de sua viagem a Israel, na semana que vem.

“Existem sensores de umidade e um radar que permite uma varredura de precisão para mostrar deslocamentos minúsculos de estruturas de solo. Isso poderia ser usado para dar um aviso”, ressaltou. Pontes assinalou que o MCTIC tem, dentro de sua estrutura, o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cenaden).

“O Cenaden já tem vários sensores instalados no Brasil mais voltados para encostas. Ainda não com a cobertura adequada. Há uma série de coisas sendo feitas, mas falta orçamento. Se tivermos um nível de orçamento mais adequado para ampliar esses projetos, vamos conseguir ajudar muito mais os outros ministérios”, afirmou.
 
Ver galeria . 38 Fotos Corpo de Bombeiros/Divulgação
(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação )
 

Viagem


Pontes convocou a entrevista coletiva, que chamou de bate-papo com jornalistas, para divulgar sua programação em uma viagem de cinco dias à Israel, na companhia do diretor do Departamento de Mecanismos Inter-Regionais do Ministério das Relações Exteriores, ministro Kenneth Félix Haczynski da Nóbrega. Segundo o ministro do MCTIC, o objetivo da viagem, que, garantiu, será realizada na classe econômica de um avião comercial, é verificar as tecnologias e processos existentes em Israel e que podem trazer benefícios para o Brasil.

“Israel é o 11º país no ranking global de inovação e 50% da água consumida vem de fontes não convencionais, por meio de reúso e dessalinização”, destacou. Na programação, estão agendadas visitas a feiras, como a Cybertech, referência da indústria cibernética, universidades e institutos, além de projetos de dessalinização. “Vamos ver todas o que existe, para podermos avançar no país, que já tem alguns projetos de dessalinização. Precisamos ganhar escala”, disse.

O ministro Nóbrega ressaltou que acompanhará a missão do MCTIC para intensificar “a interface entre Itamaraty e Israel”. “Vamos buscar no exterior elementos para melhorar o desenvolvimento socioeconômico do país”, afirmou.

100 dias


O ministro Marcos Pontes também divulgou a missão dos 100 dias à frente do MCTIC. Entre as prioridades, está a criação de um centro para testes de dessalinização em Campina Grande (PB), para avaliação do quanto é gasto com energia, qual vazão da água e qual tipo de manutenção desses projetos. “Esses dados vão alimentar o Ministério de Desenvolvimento Regional para otimizar o sistema”, destacou.

Outra missão será abrir um canal para que as empresas que já desenvolvem algum tipo de projeto na área de dessalinização possam entrar em contato com o MCTIC. “Amanhã (sábado), já estará disponível no site do ministério um formulário para quem tiver ideias. Vamos fazer um cadastro de tecnologias de dessalinização e entrar em contato, conforme o nível de maturação dos projetos”, detalhou.

Pontes anunciou ainda a realização de um Fórum Nacional de Radiodifusão, em 21 de fevereiro, para discutir o setor. Perguntado sobre as prioridades da área, preferiu não comentar “para não esvaziar o fórum”. Pontes acrescentou que, embora não esteja no pacote dos 100 dias, o uso do satélite brasileiro (SGDC) para prover banda larga continua “entre as prioridades”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade