Publicidade

Correio Braziliense

Irmãos encontram parente desaparecido na lama e reacendem esperança

Família relata que nunca deixou de acreditar que funcionário da Vale estava vivo. Irmãos pedem para que população não pare de acreditar


postado em 26/01/2019 12:54


O Estado de Minas conversou com dois irmãos que estavam em busca de informações de um terceiro irmão que trabalha na Vale. Eles contam que em momento algum desanimaram e incentivam pessoas a continuar acreditando.
Continua depois da publicidade

“Gente, não vamos perder a esperança. Vai achar muita gente ainda”, exclama o engenheiro mecânico Peter Marques de Faria, de 36 anos. O irmão dele estava no restaurante atingido pela lama no momento do acidente, mas conseguiu sobreviver. Às 14h19 e às 14h56, ele tentou contato com um amigo dele da mesma empresa por telefone, mas sem sucesso. “Como ele tentou entrar em contato, ele tava com vida, em algum lugar precisando de ajuda”, disse o outro irmão, Paulo Henrique de Farias, mecânico, de 44 anos.

Ver galeria . 83 Fotos Corpo de Bombeiros/Divulgação
(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação )


A falta de informações ainda atrapalha as famílias. Os bombeiros resgataram o irmão de Peter e Paulo, mas o encontro ainda não foi possível. “Eles falaram que ele tá com vida, foi encontrado desde ontem, mas ainda não sabemos onde ele está, estamos procurando”, disse o engenheiro mecânico. Para os irmãos, ter fé em Deus é imprescindível neste momento. “A gente dá apoio àqueles que estão sem esperança, que continue acreditando, confiando em Deus, porque maior é Deus do que qualquer problema que pode existir”, sustenta Paulo Henrique.

Sobrevivente


“Eu tava em um determinado ponto de um sítio, aí a proprietária gritou ‘que zueira é essa?’ eu falei: ‘é caminhão que tombou’. Quando eu virei uma determinada posição, que eu vi, só a mata abrindo, aquele mundo de poeira descendo, e lama, só deu tempo de sair eu e a empregada. A dona, ninguém tem notícia ainda”. Esse é o relato de um dos sobreviventes da tragédia de Brumadinho, o bombeiro hidráulico, Fernando Luis de Almeida, de 50 anos. Ele contou com a ajuda de outro homem que estava no campo. Eles saíram com o carro e acompanharam o mar de lama invadir a cidade.



*Estagiária sob supervisão do editor Benny Cohen

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade