Publicidade

Correio Braziliense

Operações de busca em Brumadinho são retomadas, anuncia Defesa Civil

Agora, as autoridades recomendam que os moradores voltem para suas casas


postado em 27/01/2019 14:59 / atualizado em 27/01/2019 15:06

(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)

 

De acordo com a Defesa Civil de Minas Gerais, as operações de Bsca em Brumadinho foram retomadas, com uso de helicópteros e cães farejadores, além de equipes no solo. O anúncio foi feito pouco antes das 15h deste domingo (27/1). Até esta nova coletiva de imprensa, a informação que circulava era de que as buscas estavam suspensas, porque havio risco de um novo rompimento, desta vez na barragem 6.  

 

Segundo o Tenente-Coronel Flávio Godinho, da Defesa Civil, os moradores já podem voltar para casa — a medida é, inclusive, recomendada. As vias de acesso foram liberadas. Ele ainda ressaltou que o maior objetivo das equipes de resgate é também manter os sobreviventes e familiares em segurança.  

 

De acordo com o tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo dos Bombeiros, a suspensão ocorreu porque, desde a manhã até o início da tarde, durante o período de risco nível2, a prioridade era a garantia a segurança de todas as pessoas que estão em situação de risco pela ameaça de rompimento de uma nova barragem. As operações de busca também seriam de risco neste momento.

De acordo com o tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo dos Bombeiros, a barragem 6 estava com um volume entre 3 e 4 milhões de metros cúbicos de água (m3). Desde sábado (26/1), vem sendo feito bombeamento da água para diminuir a pressão. Neste momento o volume está em cerca de 840 mil m3. Não há previsão de retomada das buscas. São 24 mil pessoas em situação de risco, mas só cerca de 3 mil devem ser evacuadas.

 

Clima de apreensão

 

Com a falta de informações, o risco de rompimento na barragem 6 e as condições climáticas que dificultam os resgates de vítimas, os moradores de Córrego do Feijão, localidade mais próxima da barragem da Vale em Brumadinho que rompeu na sexta-feira (25/1), estão apreensivos. Hoje, por volta das 5 horas da manhã, diversos moradores foram retirados de casa, inclusive com ajuda da Polícia Militar, por conta dos riscos de rompimento da segunda barragem. 

 

Os moradores questionam a necessidade da retirada, mas os que ficam questionam como vão retomar a rotina, já que estão sem água e telefone, o acesso mais usado foi destruído e um outro acesso, que passa pela área da Vale, está fechada.

 

A moradora Sandra Gonçalves, de 40 anos, chegou a passar mal e foi atendida pelos socorristas e pela psicóloga Rozane Marques, que estava como voluntária no local. "A pressão dela foi a 16 por 10 e ela não tem problema de pressão. Além de ter sido retirada de casa, ela chorava pela prima que morreu no acidente da barragem. Era uma pessoa que dava suporte a ela e não está mais aqui", contou a psicóloga. 

 

Retirado de casa pela Polícia ainda de madrugada, Nelson José da Silva qualificou de covardia a iniciativa e diz que pretende ficar. Ele está com a filha, que é enfermeira da Vale, desaparecida. Reclama que a tragédia destruiu a principal estrada de acesso à localidade, o que vai impedir as pessoas de trabalharem a partir de manhã, primeiro dia útil após o desastre. Ele diz que a Vale precisa abrir o outro acesso, que passa por dentro da área da empresa. 

 

O aposentado Hélio Gonçalves Maia, de 74 anos, foi retirado de casa por volta de 5h, quando ainda estava escuro. A filha, Núbia Maia, que mora em Conselheiro Lafayete, mas foi para a Córrego com o marido e a filha de 2 anos, para ajudar os pais. Ela usou o carro para tirar os pais e outros parentes. "A gente não esperava o que aconteceu, mas mesmo se a água subir, é um pouco difícil chegar lá em casa", disse. 

 

Apesar da dúvida, a maior parte dos moradores está acatando a determinação. Sirlei Gonçalves da Silva, que está com o marido, terceirizado da Vale, desaparecido, deixou própria casa com duas bolsas. "Eles mandaram pegar algumas coisas e disseram que vão levar a gente para algum lugar", disse, chorando. "Não como há três dias", completa. 

 

Dezenas de carros e Policiais Militares de Minas Gerais chegaram na manhã de hoje à Córrego do Feijão. Eles trabalham para evitar qualquer tipo de acesso às áreas atingidas pela lama da barragem da Vale, que rompeu na sexta-feira, e para retirar moradores de suas casas, ameaçadas pelo rompimento de outra barragem de água. De acordo com voluntários do local, o risco de rompimento aumentou na manhã de hoje. 

 

Enquanto isso, os bombeiros passaram praticamente toda a manhã parados. Primeiro, eles esperavam a melhora das condições climáticas, já que uma forte neblina atingia a região. De qualquer forma, qualquer tipo de acesso por terra está proibido. As poucas tentativas estão sendo feitas por meio de helicóptero.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade