Publicidade

Correio Braziliense

Vale inclui desaparecido entre sobreviventes e família percorre hospitais

Família busca informações sobre operador de máquinas, que foi dado como localizado em lista enviada pela Vale, mas segue desaparecido


postado em 27/01/2019 15:13 / atualizado em 27/01/2019 15:20

Eronice e os filhos sofrem com informações erradas sobre localização do marido, desaparecido na tragédia em Brumadinho(foto: Renan Damasceno/EM/D.A Press)
Eronice e os filhos sofrem com informações erradas sobre localização do marido, desaparecido na tragédia em Brumadinho (foto: Renan Damasceno/EM/D.A Press)

 

Desde sexta-feira, Eronice Alves Ferreira e os filhos fazem busca por hospitais de Belo Horizonte e região atrás do operador de máquinas Rodrigo Henrique de Oliveira, de 30 anos, que até ontem estava na lista dos localizados pela operação de resgate que trabalham na área do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho. A Vale confirmou que o nome de Rodrigo estava na lista de localizados divulgada ontem, às 14h. Mas o nome do operador de máquinas aparece na listagem de desaparecidos. A assessoria de imprensa da mineradora informou que “o nome apareceu na lista, mas foi um equívoco”.

 

A esperança de Eronice Alves Ferreira, de 39 anos, e dos filhos Bruno Alves Ferreira e Rodrigo Júnior aumentou depois que começou a circular um áudio por WhatsApp entre moradores de Parque Cachoeira, onde moram. No áudio, que a reportagem do Estado de Minas teve acesso, um homem não identificado fala: “Acharam o Rodrigo, que mora no Córrego do Feijão, trabalhava na reta. Achei no meio do vagão lá, machucado, mas com vida. Sofreu a noite toda com os ferimentos dele, com esse desespero, mas levaram para o hospital lá”, diz o áudio.

Desde sexta, Eronice carrega no bolso uma foto em que ela aparece sentada ao lado do marido, para ajudar na localização. Os filhos divulgam fotos do pai em números de WhatsApp. Além de esposa e dois filhos, Rodrigo tem dois enteados, Gisele Ferreira, de 16 anos, e Lucas Alves Silva, de 13. “Saiu para trabalhar e fiquei sabendo que tinha estourado e, até hoje, ninguém entrou em contato comigo.

 

Estou desesperado procurando ele. Ele está na lista dos vivos, que foi achado vivo pela Defesa Civil, que passou essa lista para a Estação Conhecimento (onde está a base de apoio)”, disse Eronice. “Quero que ele aparece, que eles me deem uma solução. Ou vivo, ou morto. Foi alguém que preencheu aquela lista. Então pra onde mandaram ele? Eu quero ele...” “Senti um alívio (quando recebi o áudio). Foi um alívio. Meu menino saiu gritando. Mas é mentira...”, lamentou.

 

Desde sexta, a família foi a vários hospitais, sem sucesso. Na tarde deste domingo, foram confirmados 287 desaparecidos, 192 resgatados e 37 mortes. Novas informações serão divulgadas de duas em duas horas. “A cada momento essa lista será mais refinada e com número real de pessoas”, disse o tenente-coronel Flávio Godinho. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade