Publicidade

Correio Braziliense

Celular toca em rabecão e ajuda família a localizar corpo em Brumadinho

Corpo foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte, onde foi identificado


postado em 27/01/2019 17:45 / atualizado em 07/02/2019 21:04

Corpos encontrados em Brumadinho estão sendo levados para o IML de Belo Horizonte(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Corpos encontrados em Brumadinho estão sendo levados para o IML de Belo Horizonte (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

Familiares e amigos de desaparecidos devido ao rompimento da Barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, se apegam aos telefones celulares para tentar encontrar os entes queridos. Ligações para os aparelhos colocaram fim a angústia, não do modo desejado, de uma família e aumentou a esperança de outra. No primeiro caso, o celular tocou quando um corpo estava no rabecão. Os familiares rastrearam o aparelho e conseguiram chegar até ele. Na outra situação, parentes de um homem afirmam que o telefone dele ainda tem bateria, o que aumenta a possibilidade e encontrá-lo com vida.  

As digitais foram recolhidas às 18h de sábado e somente neste domingo a família conseguiu a liberação do corpo. “Essa parte está muito lenta. Primeiro, disseram que o minério estaria atrapalhando a identificação da digital, depois, que havia muita gente”, relatou. A tragédia familiar só não foi maior, porque o pai, que também trabalha na barragem, está de férias. 

Ver galeria . 83 Fotos Corpo de Bombeiros/Divulgação
(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação )


A operadora de telemarketing Gisele Pedrelina Duarte Santana Loures, de 22 anos, aguarda notícias do pai ao lado do marido e de parentes. Na tarde deste domingo, sentada na grama, perto da entrada de Brumadinho, ela dizia ter esperança de que Sebastião Divino Santana, de 58 anos, seja encontrado. “O telefone dele está tocando, está com bateria. Alguém precisa fazer alguma coisa para rastreá-lo”, afirmou a jovem moradora da cidade. Sebastião, motorista, estava na mina do Córrego do Feijão, na sexta-feira, quando ocorreu o rompimento da barragem. “Vi na televisão, mas a última vez que falei com meu pai foi às 11h53”, afirmou Gisele.

O último boletim divulgado pelo Corpo de Bombeiros, na tarde deste domingo, confirmou 37 mortes, 287 desaparecidos, 192 pessoas resgatadas pelos militares. 


Dados de aparelhos


Uma decisão da Justiça Federal de Minas Gerais, que acatou pedido da Advocacia-Geral da União (AGU), determinou, na última sexta-feira, que as operadoras de telefonia móvel forneçam dados sobre os sinais de aparelhos de clientes que estavam na região afetada pelo rompimento da barragem de rejeitos. 

"A decisão se estende aos clientes que estavam nas imediações da Mina de Córrego de Feijão entre a meia-noite de quinta-feira (24) e o mesmo horário de ontem (25), num raio de 20 quilômetros", diz nota da AGU. As empresas de telefonia que deverão cumprir o pedido são: Vivo, Tim, Claro, Oi, Nextel, Algar Telecom e Sercomtel”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade