Publicidade

Correio Braziliense

Lama da barragem de Brumadinho segue o Rio Paraopeba e já passa de Juatuba

Técnicos da Agência Nacional das Águas (ANA) estiveram no rio para acompanhar a movimentação. Análises estão sendo feitas na água


postado em 29/01/2019 11:10

Técnicos da ANA acompanham a movimentação do rejeito pelo Rio Paraopeba (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A.Press)
Técnicos da ANA acompanham a movimentação do rejeito pelo Rio Paraopeba (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A.Press)

Os rejeitos de minério que vazaram da barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG), segue pelo Rio Paraopeba. Na manhã desta terça-feira (29/1), o material passou por Juatuba, também na Grande BH. Técnicos da Agência Nacional das Águas (ANA) estiveram no local onde acompanharam a movimentação.

A Vale vai tentar conter os rejeitos para tentar impedir que a captação de água em Pará de Minas, localizada a 85km da capital mineira, seja influenciada. O jornal Estado de Minas flagrou os técnicos da ANA acompanhando a movimentação dos rejeitos na manhã desta terça-feira. Os funcionários fizeram medições para ver se houve alteração na qualidade da água. 
 
Ver galeria . 83 Fotos Corpo de Bombeiros/Divulgação
(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação )
 

O Boletim de Monitoramento Especial do Rio Paraopeba, elaborado pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM), prevê que a lama com rejeitos de barragem da Vale alcance, entre 15 e 20 de fevereiro, a Usina Hidrelétrica de Três Marias, na Bacia do Rio São Francisco, Região Central de Minas. A nascente do Paraopeba está localizada no município de Cristiano Otoni, mesorregião metropolitana de Belo Horizonte, e a foz, na represa de Três Marias, no município de Felixlândia. 
 
De acordo com boletim da CPRM, a “água turva” percorre a Rio Paraopeba a uma velocidade de 1km/hora. Hoje à noite, os rejeitos deverão alcançar o município de São José da Varginha e, entre 5 e 10 de fevereiro, a Usina Hidrelétrica de Retiro Baixo, entre os municípios mineiros de Curvelo e Pompéu. 

A Vale, mineradora que administrava a barragem que se rompeu em Brumadinho, Região Metropolitana de Belo Horizonte, deve iniciar nesta terça-feira medidas para tentar evitar o avanço dos rejeitos de minério ao longo do Rio Paraopeba.  “Estamos, a partir de amanhã (terça-feira), colocando uma cortina de contenção no Rio Paraopeba para impedir que o rejeito que se desloca afete a captação de água do município de Pará de Minas. Temos uma expectativa muito grande que isso tenha sucesso”, anunciou o diretor executivo de Finanças e Relações com Investidores da empresa, Luciano Siani, em entrevista coletiva concedida na tarde de segunda-feira.  

Morte de córregos


Segundo nota do Fórum Brasileiro de Bacias Hidrográficas, já se constata o “total desaparecimento dos córregos Ferro do Carvão e do Feijão e o deslocamento da lama para o curso do Rio Paraopeba, podendo atingir a represa de Três Marias, comprometendo assim o Rio São Francisco”. “Importante dizer que no Rio Paraopeba existe uma captação da Copasa que abastece 50% da região metropolitana de Belo Horizonte”, alerta a entidade no documento. Ainda segundo o fórum, além dos rios houve “destruição de matas ciliares, de mata atlântica, e mortes de animais”. “Perdas em sua grande parte irreparáveis”, completou o texto. O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paraopeba cobrou medidas das autoridades e reivindicou sua participação efetiva no gabinete de crise criado depois do desastre e, “posteriormente, nas ações de recuperação que serão implantadas”. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade