Publicidade

Correio Braziliense

Interlocutor da Vale com o governo é réu por barragem de Mariana

Ele é acusado de homicídio doloso, assim como outros réus no processo. A defesa ingressou com um recurso no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) pedindo que o cliente seja responsabilizado por desabamento seguido de morte


postado em 31/01/2019 06:00 / atualizado em 31/01/2019 00:19

Devastação em Mariana, após rompimento da barragem do Fundão, em 2015(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Devastação em Mariana, após rompimento da barragem do Fundão, em 2015 (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
 
 
Além de destruição na natureza e de famílias destroçadas, as tragédias de Mariana e Brumadinho, em Minas Gerais, têm mais um fator em comum. O executivo Gerd Peter Poppinga, um dos representantes da Vale na interlocução da empresa com o governo, em relação ao desastre, é réu no processo que trata do desabamento, em 2015, da barragem operada pela Samarco. Ele também atuou nas duas companhias, ocupando cargos de gestão.

De acordo com o Ministério Público de Minas Gerais, Peter participou de duas reuniões que discutiram a segurança da barragem de Fundão, antes de o local ser palco da tragédia que deixou 19 mortos. No primeiro encontro, de acordo com a investigação, foi apresentada uma imagem que revelava o recuo da água na ombreira (paredão de terra) do dique 1, o que revelava “desconformidade com o projeto original”.

Na segunda reunião, o executivo foi avisado de cortes em andamento na empresa. No entanto, autorizou nova dispensa de pessoal, além de alterações no projeto de Fundão, como o “alteamento da barragem”. As obras estavam em curso no momento do rompimento. Ele é acusado de homicídio doloso, assim como outros réus no processo. A defesa ingressou com um recurso no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) pedindo que o cliente seja responsabilizado por desabamento seguido de morte.

Reunião

A solicitação da defesa ainda não foi avaliada. Peter chegou a participar de uma reunião entre o presidente da Vale, Fábio Schvartsman, e o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. Em nota, a Vale informou “que o executivo Peter Poppinga assumiu a função de conselheiro da Samarco no início de 2015 e participou unicamente de duas reuniões do Conselho de Administração daquela empresa”.

A empresa disse ainda que “como representante da Vale naquele Conselho, jamais teve envolvimento ou interação com questões operacionais da Samarco, pois isso não era sua atribuição”. Com relação à participação do executivo na reunião com o ministro de Minas e Energia, a Vale alegou “que o seu papel não é de negociador, e que ele apenas integrou a comitiva na condição de representante institucional”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade