Publicidade

Correio Braziliense

Presidente da Vale diz que empresa vai priorizar acordos extrajudiciais

Fabio Schvartsman se reuniu com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Ele disse que as sirenes de emergência não tocaram por conta da velocidade da lama


postado em 31/01/2019 16:39

(foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
(foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, afirmou, nesta quinta-feira (31/1), que a intenção da empresa a partir de agora é priorizar acordos extrajudiciais em torno da tragédia que se abateu sobre o município de Brumadinho-MG, com o rompimento da Barragem 1 da empresa na região.

Fabio se reuniu nesta tarde com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, na sede da PGR, em Brasília. Ele disse que no momento a prioridade da empresa é atender as famílias. "Conversei com a doutora Raquel Dodge e falei sobre os acordos extrajudiciais, que podem ser mediados pelo Ministério Público. A prioridade agora é atender as famílias. Os demais assuntos são secundários", disse. 

O Fabio afirmou que "não existem motivos para temer a prisão de executivos da Vale". Dois engenheiros, um geólogo que trabalharam para a companhia e dois gestores que atuaram em Brumaninho foram presos pela Polícia Federal. 

A Vale anunciou "doações" no valor de R$ 100 mil para famílias de pessoas mortas ou desaparecidas desde o desabamento da barragem. O presidente da empresa afirmou que a sirenes de emergência não tocaram por conta da velocidade em que a lama engoliu a estrutura administrativa montada abaixo da barragem.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade