Publicidade

Correio Braziliense

Análises confirmam contaminação do Rio Paraopeba por metais pesados

Foram encontrados chumbo total e mercúrio total - 21 vezes ao limite permitido pelas normas ambientais


postado em 31/01/2019 18:53

(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Pres)
(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Pres)
Uma alta concentração de metais pesados no Rio Paraopeba, após o rompimentos da barragem de rejeitos de minérios B1 do Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A contaminação foi confirmada em boletim divulgado pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM) sobre o monitoramento da qualidade da água do rio, realizado pelo órgão, juntamente com Agência Nacional de Águas (IGAM), Serviço Geológico do Brasil (CPMR) e a Copasa, desde o desastre, ocorrido sexta-feira passada.

Foram verificadas as maiores concentrações de chumbo total e mercúrio total no Rio Paraopeba – 21 vezes maior do que o limite permitido pelas normas ambientais. Também foram constadas a presença no rio de outros metais como níquel, cádmio e cinco, acima dos valores que podem ser tolerados. Nesta quinta-feira, o Governo do Estado divulgou nota oficial,informando que, devido aos “resultados iniciais” do monitoramento realizado no Rio Paraopeba, após o rompimento da barragem de rejeitos de minério da Vale, a água do manancial “apresenta riscos à saúde humana e animal”.  

O Governo Estadual informou ainda que, diante dos resultados e, “por segurança à população”, os órgãos responsáveis pelo monitoramento “não indicam a utilização da água bruta do Rio Paraopeba para qualquer finalidade, até que a situação seja normalizada. Deve ser respeitada uma área de 100 metros das margens.”. 

“O contato eventual não causa risco de morte. E para os bombeiros, que têm trabalhado em contato mais direto com o solo, a orientação da Saúde é para que utilizem todos os equipamentos de segurança”, orienta a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad).

A Agência Nacional de Águas informou que, também por meio de nota, que no monitoramento realizado pelo IGAM, após o desastre de Brumadinho, “evidenciou a presença de metais em concentração superiores àquelas estabelecidas nas regras de enquadramento do rio”.

De acordo com o último boletim do IGAM, divulgado quarta-feira à noite, foram observadas maiores concentrações de chumbo total e mercúrio total na estação de captação da Copasa em Brumadinho (a 19,7 quilômetros da barragem) e em outro ponto, Fecho do Funil (a 24,2 quilômetros do local do desastre), no sábado, dia posterior à tragédia. As concentrações dos dois metais constadas foram “21 vezes o valor do limite de classe”, diz o resultado da análise feita pelo Instituto.

Por outro lado, a Agencia Nacional de Águas informou que a análise feita pelas entidades estaduais e federais que monitoram a qualidade da água no Rio Paraopeba “aponta o decaimento da concentração” dos metais pesados no manancial . Lembra que “comportamento semelhante foi apurado no Rrio Doce, por ocasião do rompimento da barragem de rejeitos de Fundão, em Mariana, em 5 de novembro de 2015.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade