Publicidade

Correio Braziliense

'Alguns corpos infelizmente não serão recuperados', lamenta porta-voz

Com o avançar dos dias, a localização fica mais difícil e a logística para um resgate é muito mais difícil e demorada, mas destacou que os trabalhos vão continuar


postado em 04/02/2019 12:21 / atualizado em 04/02/2019 13:42

'Em Mariana, que teve número muito menor de corpos ficamos três meses e aqui a gente pretende operar por esse tempo. A gente só vai parar quando for impossível fazer um resgate de corpos', disse o militar nesta segunda(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 02/02/2019 )
'Em Mariana, que teve número muito menor de corpos ficamos três meses e aqui a gente pretende operar por esse tempo. A gente só vai parar quando for impossível fazer um resgate de corpos', disse o militar nesta segunda (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 02/02/2019 )

O porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, tenente Pedro Aihara, admitiu na manhã desta segunda-feira (4/2) que alguns corpos das vítimas do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho nunca serão encontrados. Questionado se haveria a possibilidade de algumas das vítimas nunca serem encontradas, o tenente afirmou que essa hipótese é vislumbrada pelos bombeiros. 
 
"Em situações deste tipo, que a gente tem estrutura colapsada e lama, já é esperado que a totalidade dos corpos não seja encontrada. Então, a gente trabalha o mais rápido possível para poder ser efetivo e encontrar o maior número. Só que evidentemente, pela característica da tragédia e pela situação biológica de decomposição, alguns corpos a gente estima que, infelizmente, não serão possíveis de ser recuperados. Que seja o menor número possível", avalia. 

De acordo com o tenente, já era esperada uma redução no número de corpos a serem encontrados por dia. Isso porque em um primeiro momento são encontrados aqueles que estão em níveis mais superficiais da lama. "Essa recuperação é muito mais fácil de acontecer, tanto pelo ponto de vista de esses corpos serem achados com mais facilidade, quanto do ponto de vista de retirada deles".  

De acordo com o tenente, com o avançar dos dias, além de ser mais complicada a localização, a logística para um resgate é muito mais difícil e demorada. No estágio atual, para cada novo corpo é preciso fazer um trabalho de escoramento do local e um meticuloso manuseio para não  atrapalhar a identificação posterior pelo Instituto Médico Legal (IML). "Questão de quantidade de corpos vai diminuir mesmo. Com relação a tempo de operação, vai durar meses certamente. Em Mariana, que teve número muito menor de corpos ficamos três meses e aqui a gente pretende operar por esse tempo. A gente só vai parar quando for impossível fazer um resgate de corpos ", disse Aihara. 
 
Ver galeria . 71 Fotos EM/D.A Press
(foto: EM/D.A Press )
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade