Publicidade

Correio Braziliense

Vale sabia de falhas em sensores dois dias antes da tragédia de Brumadinho

Troca de emails entre a Vale e duas empresas ligadas à segurança da barragem está sendo analisada pela Polícia Federal (PF). Teor foi divulgado por engenheiros presos dias depois do rompimento da estrutura


postado em 06/02/2019 19:05

Rompimento aconteceu em 25 de janeiro em Brumadinho(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A.Press)
Rompimento aconteceu em 25 de janeiro em Brumadinho (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A.Press)


A Polícia Federal (PF) analisa e-mails trocados entre a Vale e duas empresas ligadas à segurança da Barragem de Brumadinho, que se rompeu em 25 de janeiro. Os documentos mostram que dois dias antes do rompimento, a mineradora tinha identificado problemas em dados de de sensores que faziam o monitoramento da estrutura. 

As informações fazem parte do depoimento prestado por dois engenheiros da Tüv Süd Brasil, empresa contratada pela mineradora, Makoto Namba e André Jum Yassuda, que a TV Globo teve acesso. Os dois profissionais foram presos dias após o rompimento da barragem. Nessa terça-feira (5/2), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu liberdade aos dois e outros três funcionários da Vale. 

Os engenheiros são responsáveis pelos laudos e estabilidade da barragem, que foi feito em setembro de 2018. Eles foram ouvidos pela PF em 1º de fevereiro. Nas oitivas, mensagens de emaisl trocadas entre funcionários da Tüv Süd Brasil e da Vale, responsáveis pela barragem, foram reveladas. Um engenheiro da Tüv Süd, Dênis Valentin, citado no depoimento, enviou as primeiras mensagens, em 23 de janeiro, a vários interlocutores. Elas foram respondidas por Hélio Cerqueira, funcionário da Vale, no dia seguinte. 

Em 24 de janeiro, foram trocadas novas mensagens respondidas por Anderson Fernandes, outro funcionário da Vale. Segundo o depoimento, o assunto do e-mail era a discrepância de dados dos piezômetros, que fazem o monitoramento da barragem e são automatizados.  Eles apresentaram falhas em 10 de janeiro. Outro ponto questionado nas mensagens é o não funcionamento de cinco aparelhos. Continua depois da publicidade

O engenheiro Makoto Namba chegou a ser questionado do que faria se o filho dele estivesse trabalhando na barragem. Ele respondeu que após a confirmação das leituras, ligaria imediatamente para o filho e diria para ele sair do local. E também ligaria para o setor de emergência da Vale responsável pelo acionamento do plano de emergência da barragem Mina do Feijão para as providências cabíveis. 

Além disso, o engenheiro afirmou, no depoimento, que em reunião com Alexandre Campanha, funcionário da Vale, ouviu a pergunta: “A Tüv Süd vai assinar ou não a declaração de estabilidade?”. Makoto Namba informou que, diante do questionamento, respondeu que iria assinar se a Vale adotasse a recomendação indicadas na revisão periódica de junho de 2018.  Disse, também, no depoimento, que apesar da resposta, sentiu que a pergunta foi uma maneira de pressionar a empresa a assinar a declaração de condição de estabilidade. 

O em.com.br entrou em contato com a Vale e ainda aguarda um posicionamento sobre o teor dos depoimentos dos engenheiros. A reportagem tentou contato com a Polícia Federal (PF), mas as ligações não foram atendidas. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade