Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro, autoridades e entidades manifestam pesar por morte de Boechat

Jornalista morreu nesta segunda, aos 66 anos, após o helicóptero em que ele estava cair, em São Paulo


postado em 11/02/2019 15:58 / atualizado em 11/02/2019 18:37

(foto: Facebook/Divulgação)
(foto: Facebook/Divulgação)
 
Jair Bolsonaro publicou uma mensagem de condolências em suas redes sociais pela morte de Ricardo Boechat, nesta segunda-feira (11/2). Pelo Twitter, o presidente disse que sempre teve "muito respeito" pelo jornalista.
 
 

O Palácio do Planalto também divulgou nota para lamentar a morte de Boechat. "O país perde um dos principais profissionais da imprensa brasileira. Sentiremos a falta de seu destacado trabalho na informação da população, tendo exercido sua atividade por mais de quatro décadas com dedicação e zelo", diz o documento.

Boechat morreu nesta segunda, aos 66 anos, após o helicóptero em que ele estava cair, em São Paulo. O jornalista era apresentador do Jornal da Band e da rádio BandNews FM, além de colunista da revista IstoÉ. Ao longo da carreira, ganhou três prêmios Esso, um dos principais do jornalismo.
 
Ver galeria . 10 Fotos Rede Bandeirantes/Divulgação
(foto: Rede Bandeirantes/Divulgação )
 

A morte de Boechat foi lamentada por colegas jornalistas, bem como por diversas autoridades e entidades. Em nome da Corte, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, afirmou que "a imprensa e a sociedade brasileira estão em luto pela perda desse excelente profissional que com dinamismo e versatilidade levava a notícia aos públicos mais diversos".
 
 

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, definiu o jornalista como "um dos grandes comunicadores do país". Já para o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, Boechat era "um profissional reconhecido pelo trabalho e senso crítico aguçado".
 
 
 
 
Em conversa com jornalistas no salão verde da Câmara dos Deputados, o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), José Múcio Monteiro também lamentou a morte e disse que o jornalista era um “homem que vai fazer muita falta” para o jornalismo, a política e a economia. “Ele era um homem plural que conseguia juntar as duas coisas que eram a indignação e a coragem, que são parentes, mas muitas vezes não andam juntas”, explicou.

Ele ressalta a qualidade de fazer saber produzir uma crítica, “estudada e profunda”, do comunicador. “O jornalismo no Brasil está mais pobre hoje. Também estão mais pobres a classe política e a sociedade civil. Tinham nele um ponto de explicação, indignação e um defensor das causas mais justas”, considerou.
 
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse que "o silêncio de Boechat será eloquente e sentido em todo o país, porque ele fazia a crítica séria e necessária que caracteriza o bom jornalismo, e é tão necessário para a democracia".
 
 
 
Governador de São Paulo, João Doria disse que Boechat era um dos maiores jornalistas da história do Brasil. "Sua atuação diária demonstrava sensibilidade em defesa do interesse público e do jornalismo de qualidade", afirmou.
 
 
 
Diversos outros políticos se pronunciaram sobre o acidente e a morte do jornalista. O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, por exemplo, se disse triste com a notícia, enquanto o ex-presidente Michel Temer classificou o episódio como uma "lamentável perda para o jornalismo brasileiro".
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Entidades jornalísticas também se manifestaram sobre a morte de Boechat. A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) se solidarizou com familiares, amigos e admiradores do jornalista. A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), por sua vez, avaliou que a habilidade de Boechat "em se comunicar com o público é um legado que fica para a história da comunicação do país". 

 
 
 
 
Até mesmo a Organização das Nações Unidas (ONU) lamentou a morte do jornalista. "Era um questionador nato e defensor da apuração dos fatos, da transparência e da liberdade de imprensa", afirma a entidade.
 
  

Confira a nota do Planalto:

"A Presidência da República expressa seu pesar e condolências em razão do falecimento do jornalista Ricardo Boechat, vitimado em um acidente aéreo, neste dia.
 
O País perde um dos principais profissionais da imprensa brasileira. Sentiremos a falta de seu destacado trabalho na informação da população, tendo exercido sua atividade por mais de quatro décadas com dedicação e zelo.
 
Jair Messias Bolsonaro
Presidente da República"
 

Confira a nota da Abert:

"A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT) lamenta, com profundo pesar, a morte do jornalista Ricardo Boechat, ocorrida nesta segunda-feira (11), em São Paulo (SP).

Dono de um estilo inconfundível, Boechat honrou a profissão de jornalista, exercida com ética e compromisso com a verdade dos fatos.

Sempre preocupado em levar informação e opinião à sociedade, missão que cumpriu com maestria, Boechat deixa uma lacuna no jornalismo brasileiro. 

Sua habilidade em se comunicar com o público é um legado que fica para a história da comunicação do país.

Neste momento de luto para a radiodifusão brasileira, a ABERT presta solidariedade aos familiares, companheiros da BAND, amigos e colegas de trabalho.

Paulo Tonet Camargo
Presidente"
 

Confira a nota do Superior Tribunal de Justiça (STJ):

"Ao longo de quase 50 anos de carreira, o jornalista Ricardo Boechat construiu uma história marcada pelo profissionalismo, pela imparcialidade e pelo cultivo dos valores mais caros ao jornalismo, como a ética e o combate à corrupção. Jornalista multifacetado e premiado, Boechat consolidou seu nome entre os profissionais de imprensa mais respeitados do país. Com profunda tristeza, manifesto condolências aos familiares, amigos e todos os colaboradores do Grupo Bandeirantes. 

João Otávio de Noronha
Presidente do Superior Tribunal de Justiça" 
 

Confira a nota da Confederação Nacional da Indústria (CNI):

"A Confederação Nacional da Indústria (CNI) lamenta profundamente o falecimento do jornalista Ricardo Boechat, cujo brilhante trabalho, nos diversos meios de comunicação pelos quais passou, ganhou o respeito e a admiração dos brasileiros.

Ao longo de quase 50 anos de vida profissional, Boechat se destacou pela inteligência, pelo amplo conhecimento e pela clareza na transmissão das notícias, especialmente nos campos da política e da economia.

O sucesso que teve nos jornais, no início da carreira, foi integralmente transferido para o rádio e a televisão, mídias nas quais passamos a acompanhar, diariamente, seus comentários sempre lúcidos e precisos, feitos de maneira livre, crítica e bem-humorada.

Neste momento de pesar, nossos pensamentos se voltam para a família e os amigos de Ricardo Boechat, assim como para todos os funcionários do Grupo Bandeirantes de Comunicação, em especial da Rádio BandNews e da TV Band, na intenção de que encontrem conforto no legado desse jornalista exemplar.

Robson Braga de Andrade
Presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI)" 
 

Confira a nota do Grupo Comunique-se:

"É com profundo pesar que nós, do Grupo Comunique-se, lamentamos o falecimento do jornalista, apresentador e radialista Ricardo Eugênio Boechat, ocorrido nesta segunda-feira, 11, em São Paulo. 

Apresentador do Jornal da Band, da rádio BandNews FM e colunista da revista IstoÉ, Ricardo Boechat é o maior vencedor da história do Prêmio Comunique-se: de 2006 a 2018, foi agraciado com 18 troféus, sendo o único jornalista do País a figurar como “mestre” em quatro categorias da premiação: “Âncora de Rádio”, “Âncora de TV”, “Colunista de Notícia” e “Nacional - Mídia Falada”.

Ricardo Boechat praticava um jornalismo sério, responsável e digno. Nesse momento de dor e consternação, registramos os nossos sentimentos a todos os colegas, amigos e familiares.
 
São Paulo, 11 de fevereiro de 2019.

Rodrigo Azevedo 
Fundador e Presidente do Grupo Comunique-se"

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade