Publicidade

Correio Braziliense

Equipe de vôlei LGBTI afirma ter sido alvo de homofobia em clube de SP

Agressão teria partido de uma sócia, mas a equipe alega que o clube não tomou as devidas providências. Local nega e afirma ter feito o que podia


postado em 13/02/2019 21:30 / atualizado em 13/02/2019 21:29

(foto: Reprodução/Facebook)
(foto: Reprodução/Facebook)
 
Um time de vôlei formado por integrantes da comunidade LGBTI afirma ter sido alvo de ataques homofóbicos por parte de sócios de um clube na zona sul de São Paulo. O caso ganhou notoriedade na última terça-feira (13/2), quando a equipe Unicorns Brazil relatou a sequência de acontecimentos em uma postagem no Facebook que já ultrapassa 1,3 mil reações.

No texto, o Unicorns conta que em 11 de janeiro, o grupo estava na quadra do Açaí Clube — no bairro do Brooklin —, quando duas senhoras entraram no local e registraram imagens dos atletas. Depois, elas teriam ido à portaria do local e dito que "essas pessoas aí poderiam roubar as bolsas delas". O grupo teria, então, notificado o clube pedindo providências.
 
 

Uma semana depois, durante a realização de um amistoso, o clube afirma ter ouvido ofensas homofóbicas e transfóbicas. Algumas delas, de acordo com a equipe, assemelhavam-se a ameaças de morte: "Viado precisa morrer". Mais uma vez, integrantes do Unicorn teriam procurado a administração do clube e receberam como resposta que o Açaí "não poderia garantir a segurança dos jogadores".

"Nosso relacionamento com o clube sempre foi muito bom. Mas quando a gente precisou deles, eles falharam", lamentou o advogado Filipe Marquezin, um dos fundadores do Unicorns. Segundo ele, a equipe treina semanalmente no local desde abril do ano passado. 

Por conta da boa relação, inclusive, o Unicorns teria buscado resolver a situação internamente, dando o prazo de uma semana para que o clube pedisse desculpas pelo ocorrido. Como isso não aconteceu, o caso foi exposto nas redes sociais e, agora, a equipe pretende recorrer à Polícia e à Justiça. "Eles não fizeram nada. Estão cobrindo essas pessoas. Sequer fizeram alguma apuração interna", disparou Filipe. "Nos sentimos violentado de não poder jogar", concluiu o advogado, acrescentando que a equipe rescindiu o contrato com o clube.

Outro lado

O Açaí Clube nega que tenha se omitido diante dos supostos episódios de homofobia. O advogado do clube, Claudio Barbosa, contou que o Unicorns teria infringido algumas regras do espaço, como utilizar as dependências além do horário de funcionamento e permanecer no ginásio com garrafas e copos de vidro.

Segundo o advogado, foi por conta da infração em relação às garrafas que as duas mulheres — uma delas conselheira do clube — teriam registrado as imagens do primeiro episódio. "Essa conselheira agiu de maneira legítima no entender dela. Em função disso, houve o entrevero e nesse entrevero parece que houve alguma manifestação ofensiva", justificou.

O clube também negou que estivesse de alguma forma compactuando com a homofobia. "Tão logo recebemos o comunicado, foi aplicada uma pena preventiva a essas sócias, elas foram representadas perante o conselho de sindicância do clube e esse processo seguiu adiante", relatou Claudio. Em relação ao segundo episódio — das ofensas e ameaças — o advogado afirma que a equipe não forneceu qualquer elemento que permitisse a identificação e consequente punição dos autores.

Por fim, o advogado diz que o clube não pediu desculpas à equipe por entender que não havia razão para tal. "O clube tomou todas as providências dentro das suas limitações estatutárias. O que poderia fazer, fez. Se um sócio agiu com excesso em uma conduta individual, ele deve responder por isso", pontuou. "Continuamos tendo contato com a equipe, tentando, de alguma forma, dar uma satisfação e se solidarizar com o grupo", completou.
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade