Publicidade

Correio Braziliense

Para coordenadora do Ibama, Vale perdeu o controle da situação

Fernanda Pirillo, da coordenadoria de Emergências Ambientais do órgão ambiental, diz que a mineradora deixou os funcionários desamparados. 'Ou foram presos ou morreram'


postado em 14/02/2019 12:30

Deputados e convidados fazem 1 minuto de silêncio em homenagem às vítimas do rompimento da barragem em Brumadinho, durante audiência na Comissão Externa da Câmara que acompanha as investigações(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Deputados e convidados fazem 1 minuto de silêncio em homenagem às vítimas do rompimento da barragem em Brumadinho, durante audiência na Comissão Externa da Câmara que acompanha as investigações (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Vale, responsável pela barragem de Córrego do Feijão, que se rompeu em janeiro matando 166 pessoas e deixando outras 160 desaparecidas, perdeu o controle da situação. A mineradora, segundo a coordenadora da Emergências Ambientais do órgão, Fernanda Pirillo, deixou os funcionários desamparados. “Os servidores ou foram presos ou morreram”, afirmou, durante apresentação na comissão externa sobre o desastre de Brumadinho na Câmara dos Deputados, na manhã desta quinta-feira (14/2).

Fernanda destacou que o Ibama não é responsável pelo licenciamento da barragem da Brumadinho, mas enviou analistas ainda no dia do acidente, em 25 de janeiro. Segundo ela, o órgão trabalha desde então cm conjunto com as demais instituições. E destacou que, assim que comprovados os danos, o Ibama multou a mineradora.

“Aplicamos cinco autos de infrações no valor de R$ 50 milhões cada, pelo seguintes crimes: por causar poluição com impacto à saúde humana; provocar perecimento da diversidade de espécies da fauna e flora; lançar rejeitos em recurso hídrico e causar poluição que tornou necessária a suspensão do abastecimento de água; e também por tornar áreas diversas impróprias para ocupação humana. Dias depois, aplicamos mais uma multa diária por cumprir nossas recomendações relativas ao salvamento da fauna. Essa multa ainda está vigente”, enumerou.

“Aproveito aqui a presença do presidente da Vale (Fabio Schvartsman) para pedir que a empresa cumpra suas obrigações e pague as multas”, emendou, e foi muito aplaudida pelos presentes que lotaram a sala da comissão externa da Câmara. Fernanda ainda denunciou: “Lembro a todos que a Samarco não pagou nenhuma das 26 multas aplicadas pelo Ibama desde 2015.”

Segundo a coordenadora do órgão ambiental, a Vale perdeu o controle da situação. “As equipes da Vale estavam desamparadas, eles não tinham comando, seus colegas de trabalho foram presos ou morreram. A Vale deixou seus servidores desamparados num primeiro momento e não instalou uma ferramenta de gestão de emergência como deveria ter sido feito e como foi determinado pelo Ibama no dia 26”, acusou.

Após a apresentação de Fernanda, os deputados fizeram um minuto de silêncio pelos mortos em Brumadinho. Todos se levantaram, apenas o presidente da Vale, Fabio Schvartsman, permaneceu sentado, de cabeça baixa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade