Publicidade

Correio Braziliense

Restaurante brasileiro Mocotó é premiado um dos melhores do mundo

O estabelecimento, que serve comida sertaneja na zona norte de São Paulo, recebeu o prêmio na categoria 'No Reservations Required' no World Restaurant Awards


postado em 18/02/2019 19:23 / atualizado em 18/02/2019 20:00

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)
 
O World Restaurant Awards, prêmio gastronômico dedicado a restaurantes considerados os melhores do mundo, aconteceu nesta segunda-feira (18/2), em Paris, e tem um brasileiro entre os consagrados. O Mocotó, de São Paulo, venceu na categoria 'No Reservation Required' (sem necessidade de reserva). O melhor do mundo foi para um estabelecimento praiano, em um isolado povoado de pescadores, na África do Sul. 
 
Kobus van der Merwe, o chef do restaurante Wolfgat, o grande vencedor que fica no povoado de Paternoster, aprendeu a cozinhar quando tinha 30 anos e busca, diariamente, à beira do Atlântico, as iguarias usadas em sua cozinha. Ele também fabrica seu próprio pão e manteiga.
 
O Wolfgat abriu no ano passado em uma casa na praia construída há 130 anos. No menu de degustação, onde o cliente pode experimentar sete pratos, o investimento exigido é de 53 euros. Mas, atente-se: o cozinheiro, de 38 anos, só recebe 20 pessoas por vez, que costumam ficar cerca de duas horas e meia no local.

O diferencial para o juri, que decidiu quem seria premiado em cada categoria, foi a localização do Wolfgat, uma instalação modesta, além da crença de Van der Merwe de que ser sustentável e básico fazem a diferença.

Com seus pratos decorados com algas, peixe anjo ou mexilhões, o chef também ganhou o prêmio de melhor restaurante "Fora do Mapa" (Off-Map Destination).
 
Van der Merwe, que também foi blogueiro, afirma que com exceção do uso de algumas espécies locais, sua filosofia é "interferir o mínimo possível nos produtos e deixá-los puros, crus e sem tratar."

"É uma abordagem muito minimalista, não faz sentido colher ervas extraordinárias para depois transformá-las em um molho que não tem nada a ver", disse. 
 
Enquanto essa lista foi criticada por supostamente ser vítima de pressões e privilegiar a cozinha francesa, esta nova edição tem a ambição de incluir "diversidade e integridade", com um júri formado por 50 homens e 50 mulheres. Tanto é que o brasileiro Mocotó ficou entre os melhores do mundo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade