Publicidade

Correio Braziliense

PGR defende que União forneça medicamentos para portadores de diabetes 1

Raquel Dodge enviou recurso ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra decisão liminar do presidente da Corte, ministro Dias Toffoli


postado em 22/02/2019 13:35 / atualizado em 22/02/2019 16:21

(foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil)
(foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil)
 

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou recurso ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra decisão liminar do presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, que suspendeu a obrigação da União de fornecer os medicamentos Glardina e Detemir a pessoas com diabetes melittus tipo 1. Esses tipo da doença é de difícil controle e, por isso, os pacientes não se adaptam às insulinas tradicionais, alerta a Procuradoria.


A PGR pede que a decisão de Toffoli seja reconsiderada ou levada para análise do Plenário, e lembra que na primeira e segunda instâncias houve determinação - em caráter liminar - para que a União fornecesse os medicamentos. As informações foram divulgadas pela Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria

"Do Supremo Tribunal Federal espera-se, por fim, em sede recursal, provimento que afaste a suspensão indevida, contrária à ordem jurídica e à saúde pública, tendo como fundamentos o princípio da dignidade humana e o direito à vida, que devem se sobrepor, em casos como o examinado, aos interesses econômicos do ente público condenado em primeira e segunda instâncias", destaca a PGR em um trecho do recurso.

Uma das alegações da União para se livrar da obrigação de fornecer os medicamentos foi o "risco de grave comprometimento à economia, saúde e ordem pública".

Raquel Dodge se insurge contra essa argumentação. Para ela, a manutenção da decisão oferece mais riscos de atingir a ordem constitucional do que os possíveis danos econômicos pela União.

Segundo a procuradora-geral, o objetivo da ação civil pública foi o de garantir o respeito ao direito fundamental das pessoas portadoras de Diabetes Melittus tipo 1, e está amparado na Carta Magna.

"Os artigos 196 e seguintes da Constituição estabelecem a saúde como direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem a redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação", pondera.

No recurso, a União também ressaltou que houve "intervenção indevida do Poder Judiciário na esfera discricionária de atuação da administração pública". No entanto, a PGR afirmou ser "justificada essa intervenção para que a omissão do poder público seja corrigida".

Raquel Dodge foi enfática ao afirmar que não existe discricionariedade quando o que se está em jogo é o respeito dos direitos fundamentais dos cidadãos. Ela afirmou que a ação do Judiciário, neste caso específico, vai ao encontro da defesa dos direitos constitucionais.

Ressaltou, ainda, que o Judiciário não está tentando obrigar o Estado a formular política púbica, mas fazendo com que sejam cumpridas as obrigações existentes.

"Quando há dever do Estado descumprido, em especial em área tão cara como a de que tratam os autos, é plenamente justificada a intervenção do Judiciário, para correção do que segue contra a normatização em vigor, sanando omissão injustificável do Poder Público", argumentou a chefe do Ministério Público Federal.

Em sua avaliação, a suspensão da liminar concedida à União é medida protetiva, "a ser proferida em favor de um grupo vulnerável que necessita de atuação efetiva e urgente do poder público".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade