Publicidade

Correio Braziliense

Mulher agredida por horas no Rio diz que foi dopada por agressor

Em entrevista à tevê, Elaine Caparroz, brutalmente agredida pelo lutador de jiu-jitsu e estudante de direito Vinícius Bezerra, disse também acreditar que a motivação do crime seja vingança


postado em 25/02/2019 14:50 / atualizado em 25/02/2019 14:59

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)

A paisagista Elaine Caparroz, que foi agredida por horas em seu apartamento no Rio de Janeiro, na semana passsada, diz ter certeza de que foi dopada pelo agressor, identificado pela polícia como o estudante de direito Vinícius Bezerra. Ela acredita ainda que o ataque teve alguma motivação ainda desconhecida, possivelmente vingança, e suspeita de que possa haver alguma relação com o universo das artes marciais, do qual Bezerra e o filho dela, Rayron Gracie, participam.

As afirmações foram feitas por Elaine, de 55 anos, em entrevista ao programa Fantástico, da rede Globo, exibido no último domingo (24/2). "Por que ele fez isso comigo? Alguém tem que descobrir. Deve ter outra peça, algo escondido que eu não sei o que pode ser", afirmou. 
 
Elaine foi agredida dentro do próprio apartamento por cerca de quatro horas por Vinícius, que é lutador de jiu-jitsu, na madrugada do sábado 16. Os dois se conheceram pelas redes sociais e conversaram por meses antes de se encontrarem pela primeira vez. No dia do crime, o estudante a teria convidado para sair. Em resposta, a empresária sugeriu que eles bebessem vinho em seu apartamento. Ao chegar ao prédio, Vinícius deu um nome falso na portaria, antes de subir ao apartamento. Ao porteiro, o lutador teria dito se chamar Felipe. 

Na entrevista, Elaine explicou a hipótese de vingança como motivação do crime. Segundo ela, a conversa com Vinícius ficou "estranha" quando ele pediu uma opinião a ela. "Ele me disse: 'Eu tenho um amigo que quer muito se vingar de alguém e ele pensa em matar essa pessoa. Meu amigo está muito bravo, porque ele realmente quer matar'", contou Elaine. 
 
Em certo momento, ela também recebeu uma ligação de vídeo do filho. "Ele me perguntou se eu sempre falava com ele, e eu disse: 'Lógico, é meu filho'", contou. Após o telefonema, os dois teriam começado a assistir um filme. "A última coisa que eu me lembro foi eu deitando no ombro dele e, depois disso, eu não sei dizer quanto tempo depois, eu já estava no chão, com ele em cima de mim, desferindo vários socos horríveis. Eu não entendi nada", afirmou. Ao ser indagada se acredita ter sido dopada, a paisagista respondeu: "Tenho certeza".

Tentativa de feminicídio 


Vinícius foi preso em flagrante por tentativa de feminicídio e passa por exames. "Eu lembro que ele tentou me dar um golpe de mata-leão, e eu peguei ele pelos cabelos com toda a minha força e, com essa, peguei no meu próprio cabelo. Quando ele veio me juntar, não atingiu meu pescoço. Essa foi uma defesa que evitou minha morte", contou. 
 
A paisagista teve alta na sexta-feira (22/2), após seis dias internada. Ainda em entrevista, Elaine disse que gritou por socorro a ponto de ficar rouca, mas que, ainda assim, essa ajuda demorou para chegar. "Eu não me sinto humilhada. Eu me sinto muito forte", concluiu. 
 
 

Depoimento

 
Elaine deve prestar depoimento na tarde desta segunda-feira (25/2), no Rio de Janeiro. Elaine foi casada com Ryan Gracie, lutador de jiu-jitsu morto em 2007. Ela é mãe de Rayron Gracie, que também é lutador. O agressor tem um registro policial de agressão ao próprio irmão.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade