Publicidade

Correio Braziliense

Justiça dá prazo de 24 horas para que bombeiros façam inspeção na Sapucaí

Após o laudo, presidentes da RioTur e Liesa terão que assinar um termo de responsabilidade para que desfiles aconteçam


postado em 28/02/2019 19:37

(foto: Riotur/Divulgação)
(foto: Riotur/Divulgação)

Em decisão, a Justiça determinou ao Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, a realização de uma vistoria e elaboração de laudo técnico no prazo de 24 horas no Sambódromo da Marquês de Sapucaí. A juíza Mônica Ribeiro Teixeira determinou ainda que após o laudo, os presidentes da RioTur (Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro) e da Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) também terão que assinar um termo de responsabilidade para que desfiles aconteçam. 

Na quarta-feira (27/2), o Ministério Público do Rio ajuizou uma ação para que o Sambódromo seja interditado caso o Corpo de Bombeiros não emita autorização especial que garanta a segurança dos frequentadores da Marquês de Sapucaí. 

Citando matérias jornalísticas, o documento aponta que identificou buracos nas estruturas das arquibancadas, que podem colocar em risco a vida e a integridade física dos espectadores, jurados, trabalhadores e integrantes das escolas de samba.

Identificou, também, sérios problemas com a segurança do sistema elétrico, tais como fiação aparente, fios desencapados ou com emendas em áreas comuns e na pista da passarela do samba, o que produziu, após fortes chuvas do penúltimo final de semana, descarga elétrica e choques em pessoas que participaram dos ensaios técnicos. Além desses graves problemas, há ainda a ausência de sinalização de rotas de fuga e mangueiras contra incêndio na maioria dos setores do Sambódromo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade