Publicidade

Correio Braziliense

Corpo de Bombeiros faz vistoria emergencial na Sapucaí, no Rio de Janeiro

Justiça exigiu laudo para liberar local de desfiles após recomendação do Ministério Público, que pediu interdição do local até a obtenção do laudo dos bombeiros


postado em 01/03/2019 11:35 / atualizado em 01/03/2019 12:35

(foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
(foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Equipes do Corpo de Bombeiros já estão no sambódromo do Rio, nesta sexta-feira (1º/3), para fazer uma vistoria das condições de segurança do local - principal palco dos desfiles das escolas de samba. Por determinação do Ministério Público do Rio, ajuizada no fim da tarde desta quinta-feira (28/2), a passarela do samba só poderá ser liberada para a festa se tiver um laudo positivo dos Bombeiros.

A vistoria começou no setor 2, com a verificação de camarotes. Equipamentos de combate a incêndio e estado de conservação da rede elétrica serão os principais alvos da vistoria. Diante do pedido do MP, a Justiça determinou que o Corpo de Bombeiros fizesse a vistoria em caráter emergencial. A Liga das Escolas de Samba do Rio (Liesa), responsável pelos desfiles, ainda não se pronunciou sobre a questão.

A alegação do MP é de que não há segurança para os frequentadores, especialmente em relação ao risco de incêndios. A passarela do samba não tem certificado de aprovação dos Bombeiros. O Sambódromo da Marquês de Sapucaí, na verdade, já está interditado preventivamente pelos Bombeiros para sediar eventos. Sua eventual liberação é condicionada a autorizações especiais.

O órgão diz que a estrutura, construída no meio dos anos 1980, representa risco à vida e à integridade física de espectadores e integrantes das agremiações que passarão por lá a partir desta sexta-feira. Há arquibancadas com vãos nas estruturas, buracos e vergalhões expostos, como constatou, nessa quinta-feira (28/2), reportagem do jornal O Estado de S. Paulo.

Além da autorização do Corpo de Bombeiros, o MP pede que a Justiça condicione a liberação do evento também à assinatura de termo de responsabilidade pela Riotur, órgão da prefeitura, e pela Liesa, gestores do carnaval. O documento deverá assegurar que o local tem condições de segurança.

A ação se baseia em inquérito aberto após o grande incêndio que destruiu diversos barracões das escolas em 2011, na Cidade do Samba, na zona portuária do Rio. É ali que as principais escolas preparam os seus desfiles.

Desfiles

 
Os carros alegóricos das escolas de samba do Grupo de Acesso A começaram a se posicionar, no início desta manhã, na Avenida Presidente Vargas, no centro do Rio de Janeiro, para o primeiro dia de desfiles no Sambódromo.

O primeiro dia de desfiles do Grupo A começa às 22h30, com a apresentação da Unidos da Ponte, que abrirá oficialmente o carnaval na Passarela do Samba carioca.

Também desfilam hoje a Alegria da Zona Sul, Acadêmicos da Rocinha, Acadêmicos de Santa Cruz, Unidos de Padre Miguel, Inocentes de Belford Roxo e Acadêmicos do Sossego.

As outras seis escolas do grupo desfilam na noite de sábado (2): Unidos de Bangu, Renascer de Jacarepaguá, Estácio de Sá, Unidos do Porto da Pedra, Império da Tijuca e Acadêmicos do Cubango.

A campeã do Grupo de Acesso A desfila no ano que vem no grupo especial. Já a última colocada desfilará em 2020 no Grupo de Acesso B, que se apresenta na avenida Intendente Magalhães, na zona norte da cidade. As 14 escolas do Grupo Especial desfilam no domingo (3/3) e na segunda-feira (4/3).
 
Com informações da Agência Brasil 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade