Publicidade

Correio Braziliense

Exaltando a voz do povo, Homem da Meia-Noite sai às ruas de Olinda

Neste ano, o Gigante Cultural trouxe os pedidos das comunidades do Recife: liberdade, dignidade, igualdade,educação e saúde


postado em 03/03/2019 12:21 / atualizado em 03/03/2019 14:57

O Calunga(foto: Samuel Calado/Esp.DP)
O Calunga (foto: Samuel Calado/Esp.DP)

Na madrugada do sábado para o domingo de carnaval, as ruas do bairro do Bonsucesso, no Sítio Histórico de Olinda, ficaram tomadas. O motivo? Prestigiar a chegada do Homem da Meia-Noite. Vestido com um manto sob os dizeres “O povo resiste” e com a cartola branca estampando a frase “Juntxs podemos”, o calunga arrastou foliões e pregou a resistência popular.
 
Neste ano, o Gigante Cultural trouxe os pedidos das comunidades do Recife: liberdade, dignidade, igualdade,educação e saúde. Além disso, a Constituição de 1988 também foi homenageada com um bordado nas costas do calunga. No início do caminho, o fraque encontrou com a Mulher do Dia e teve até tempo de trocar carinho. Depois, retornou ao Seplama e seguiu pelas ladeiras da Cidade Alta. Às cinco horas da manhã de hoje, o Homem da Meia-Noite entregou a chave do Carnaval ao Cariri Olindense.

De geração pra geração


O Presidente do Homem da Meia-Noite, Luiz Adolpho, não escondeu a emoção de eternizar, por mais um ano, o legado do seu pai, Tárcio Botelho, que presidiu a agremiação por 11 anos. “Eu fico muito feliz por levar adiante a história do meu pai, vem a lembrança do meu pai, em nome de tudo que eu construí pela memória dele”, contou, emocionado. 

Inédito


Pela primeira vez desde o nascimento do bloco, no dia 3 de fevereiro de 1932, Homem da Meia-Noite foi confeccionado pelas mãos dos profissionais de moda. Jessica Silva, Maria Alice e Rafaela Mendes foram as estilistas que saíram às ruas das comunidades do Grande Recife para buscar os anseios do povo e refleti-los na vestimenta do Calunga Gigante. E não esconderam o sentimento de gratidão pelo trabalho. 

“Foi muito sentimento envolvido. E também, de certa forma, uma crítica, por que não? A voz do povo não seria de amor se não tivesse resistência. A palavra é emoção, de tarefa cumprida. Hoje é um dia histórico. Falar a voz do povo não foi fácil e a gente conseguiu, espero que todos se sintam representados em cada voz e em cada palavra”, comemorou Maria Alice.

Homenagens

Lucas dos Prazeres, o homenageado do bloco(foto: Samuel Calado/Esp.DP)
Lucas dos Prazeres, o homenageado do bloco (foto: Samuel Calado/Esp.DP)
A noite também foi marcada por honrarias. O presidente do bloco, Luiz Adolpho recebeu o prêmio Gigante Cultural ,antes da saída do calunga, pelos anos dedicados ao Homem da Meia-Noite. Ainda, a madrugada deste domingo também foi de Lia de Itamaracá, Lucas dos Prazeres e Patusco, os homenageados deste ano. “Homenagem pra mim é muito importante porque deixa a pessoa viva. Eu, viva, estou vendo como foi feito. O Homem da Meia-Noite é uma tradição poderosa, respeitada. Eu era louca para acompanhar esse homem e agora estou aqui do lado dele”, explicou Lia, Patrimônio Vivo de Pernambuco.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade