Publicidade

Correio Braziliense

Jovem que foi queimada pelo namorado em SP será enterrada nesta sexta-feira

Isabela teria sido abusada sexualmente pelo cunhado, enquanto dormia após passar mal. O namorado teria flagrado os dois e achou que o ato era consensual. Ele espancou Isabela e ateou fogo no cômodo


postado em 08/03/2019 10:20 / atualizado em 08/03/2019 10:27

Isabela Miranda de Oliveira, morta em São Paulo após ter o corpo queimado pelo namorado (foto: Reprodução/TV Globo )
Isabela Miranda de Oliveira, morta em São Paulo após ter o corpo queimado pelo namorado (foto: Reprodução/TV Globo )

 

A estudante Isabela Miranda de Oliveira, de 19 anos, que foi agredida e queimada pelo namorado, será enterrada às 10h desta sexta-feira (8/3), no Cemitério Municipal Orlando Mollo, em Caieiras, município da Grande São Paulo. Isabela teve o corpo incendiado pelo namorado, William Felipe de Oliveira Alves, de 21 anos, durante um churrasco em Franco da Rocha, na região metropolitana de São Paulo, no domingo de carnaval (3/3).

Segundo relatos de testemunhas, Isabela teria sido abusada sexualmente pelo cunhado, de 23 anos, enquanto dormia após passar mal. O namorado teria ido até o quarto e flagrou os dois na cama. Após ver a cena, o namorado achou que o ato era consensual, espancou Isabela e, em seguida, ateou fogo no cômodo.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), a estudante, que teve mais de 80% do corpo queimado, e o cunhado foram socorridos ao Hospital Estadual Francisco Morato. A jovem não resistiu aos ferimentos e morreu, nessa quinta-feira (7/3).

Foi solicitada pericia a local e duas facas foram apreendidas. O caso foi registrado como lesão corporal e tentativa de homicídio qualificado na delegacia de Franco da Rocha. Após passar por audiência de custódia, William teve a prisão decretada pela Justiça.

Feminicídio


A Câmara aprovou no final de fevereiro o pedido da deputada Flávia Arruda (PR-DF) para a criação de uma Comissão Temporária Externa destinada ao acompanhamento dos casos de violência doméstica contra a mulher e feminicídio no País.

A deputada quer verificar como os Estados estão atuando, quais são as políticas implementadas, quais os recursos destinados para este enfrentamento e se há ou não orçamento garantido para a execução dessas políticas de forma permanente.

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, mostrou que em média, uma mulher é vítima de feminicídio no Estado de São Paulo a cada 60 horas. Em 2018, 148 assassinatos foram registrados já no boletim de ocorrência como derivados de violência doméstica ou por "menosprezo ou discriminação à condição de mulher".

O número de mortes é 12,9% maior do que o registrado no ano anterior (131) e mais do que o dobro do que o observado em 2016 (70), embora a quantidade de homicídios dolosos tenha diminuído no Estado. Os dados foram levantados pelo Estadão Dados com base em boletins de ocorrência da Secretaria de Segurança Pública (SSP).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade