Publicidade

Correio Braziliense

Repercussão do crime em Suzano pode estimular ataques, avaliam médicos

Para evitar o aumento de ataques, psiquiatra diz que é importante, por exemplo, não compartilhar fotos das vítimas mortas


postado em 14/03/2019 11:28 / atualizado em 14/03/2019 11:29

Homenagens na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo(foto: Miguel Schincariol/AFP)
Homenagens na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo (foto: Miguel Schincariol/AFP)

 

A repercussão do ataque a tiros na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo, pode contribuir para a ocorrência de crimes semelhantes, alertam especialistas.

"A divulgação pode potencializar algumas pessoas mais vulneráveis, sugestionáveis a querer reproduzir essa ação", afirma Antonio Serafim, diretor da área de neuropsicologia do Hospital das Clínicas (HC).

A opinião é compartilhada pelo psiquiatra Daniel Martins de Barros, do Instituto de Psiquiatria, também do HC, e colunista do jornal O Estado de S. Paulo. "Eventualmente, pessoas que passam por situação semelhante começam a considerar a mesma hipótese."

Para evitar o aumento de ataques, o psiquiatra diz que é importante, por exemplo, não compartilhar fotos das vítimas mortas. "Divulgar essas informações pode perpetuar o mesmo comportamento", afirma. Nesta quarta-feira, após o ataque, vídeos e fotos das vítimas da tragédia repercutiram nas redes sociais.

O neuropsiquiatra Dartiu Xavier, professor da Faculdade Paulista de Medicina, alerta que o caso deve ser tratado com distanciamento e respeito, sem banalização. A exposição às informações, diz, afeta as pessoas de maneira diferente e, por isso, é preciso cuidado. "Às vezes, um padrão de comportamento acaba sendo imitado. Isso vale para agressão e também para suicídio. Acaba servindo de estímulo", comenta o professor.

Sem glamour


Segundo Xavier, o episódio não deve ser omitido, mas é preciso atenção para não glamourizá-lo. "A gente copia muito esse modelo americano de glamourização da violência, e isso deveria ser combatido", diz o psiquiatra. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade