Publicidade

Correio Braziliense

Advogados de acusados de matar Marielle descartam delação premiada

Os defensores afastam a possibilidade de serem firmados acordos de colaboração premiada, pois alegam que, sendo ambos inocentes, não há o que delatar


postado em 14/03/2019 10:03

Militar reformado Ronnie Lessa, de 48 anos, apontado como o autor dos 13 disparos que mataram Marielle e Anderson,(esq) O ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos, que dirigia o automóvel (foto: PCRJ/Divulgação)
Militar reformado Ronnie Lessa, de 48 anos, apontado como o autor dos 13 disparos que mataram Marielle e Anderson,(esq) O ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos, que dirigia o automóvel (foto: PCRJ/Divulgação)

O policial militar reformado Ronnie Lessa, acusado da autoria dos disparos que levou às mortes da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, negou ser dono dos 117 fuzis encontrados desmontados na casa de seu amigo Alexandre Motta. De acordo com seu advogado, Fernando Santana, "ele nega que as armas sejam dele. Ele nega e não entendeu porque o Alexandre disse isso".

117 fuzis(foto: Carl de Souza/AFP)
117 fuzis (foto: Carl de Souza/AFP)


Ronnie Lessa foi preso na Operação Lume, deflagrada na terça-feira (13/3). Conforme denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), ele é o responsável pelos tiros que atingiram Marielle e Anderson e fez os disparos do banco de trás do Cobalt branco, carro que aparece em vídeos de câmeras de segurança perseguindo o veículo onde as vítimas estavam. Também foi preso o ex-policial militar expulso da corporação Élcio Vieira de Queiroz, que estaria dirigindo o carro.

Posse ilegal de armas

 
Além de cumprir os mandados de prisão preventiva contra os dois, os agentes que integraram a Operação Lume também lavraram autos prisão em flagrante por posse ilegal de armas. De acordo com a Polícia Civil, Lessa seria o responsável por caixas encontradas na casa de Alexandre onde estavam guardadas peças de 117 fuzis M-16. Faltavam apenas os canos. Uma nova investigação será aberta para identificar a origem dos fuzis.

Com Élcio foram encontradas duas pistolas de uso restrito. "Era dele, só que ele tinha porte de policial militar e foi excluído da Polícia Militar. Enfim, são questões técnicas e processuais e, no momento certo, vamos fazer a defesa", explicou Henrique Telles, advogado de Élcio.

Os dois advogados já haviam negado as acusações imputadas aos seus clientes. Fernando Santana disse que Lessa nunca fez pesquisas na internet sobre o nome de Marielle, conforme alega a denúncia do MPRJ. Já Henrique Telles assegura que provará que Élcio estava em outro local no momento do crime. "Vamos levar testemunhas que viram meu cliente no momento em que a vereadora foi assassinada".

As duas defesas reclamam que só hoje tiveram acesso a parte dos autos do processo. "Não sei ainda do que o meu cliente está sendo acusado na totalidade", reclamou Henrique Telles. Os advogados afastam a possibilidade de serem firmados acordos de colaboração premiada, pois alegam que, sendo ambos inocentes, não há o que delatar.

Depoimentos

 
A Operação Lume envolveu, além das prisões, 32 mandados de busca e apreensão. Desse total, 16 foram cumpridos na terça-feira (12/3). Os demais, cumpridos na manhã de hoje, já coincidem com uma segunda etapa das investigações do caso Marielle, cujo intuito é identificar os mandantes.

Lessa, Élcio e Alexandre encontram-se detidos na Delegacia de Homicídios da capital fluminense. Estavam previstos, para a tarde dessa quarta-feira (13/3), depoimentos dos três especificamente sobre o flagrante de posse de armas. Já o interrogatório sobre o crime envolvendo a parlamentar deve ocorrer apenas nesta quinta-feira à tarde (14/3).

Além de deporem à Polícia Civil sobre a existência dessas armas, Lessa, Élcio e Alexandre serão ouvidos em audiência de custódia pela manhã em local não divulgado. Na ocasião, um juiz vai analisar a ocorrência do flagrante. Independentemente da decisão, apenas Alexandre poderá ser libertado. Lessa e Élcio seguirão presos, pois, além do flagrante, estão sob ordem de prisão preventiva.

Sobre o assassinato da vereadora, os dois devem ser ouvidos quando retornarem à Delegacia de Homicídios após a audiência de custódia, possivelmente a tarde. Concluídos os depoimentos, de acordo com a Polícia Civil, eles serão transferidos para uma unidade do Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade