Publicidade

Correio Braziliense

Aluno atira em porta de escola, em MG, após ser alvo de boatos por colegas

Jovem de 20 anos deu tiros para o alto na porta da instituição e disse à polícia que queria assustar dois colegas. Arma do crime não foi encontrada


postado em 15/03/2019 10:21 / atualizado em 15/03/2019 10:48

Escola fica no Bairro Bonfim, em Nova Lima (foto: Reprodução da internet/Google Maps)
Escola fica no Bairro Bonfim, em Nova Lima (foto: Reprodução da internet/Google Maps)

Ainda sob efeito da tensão que se espalhou pelo país com o ataque a tiros que terminou com 10 mortos em uma escola em Suzano, em São Paulo, alunos, funcionários e vizinhos de uma escola estadual de Nova Lima, na Grande BH, levaram um susto no início da noite dessa quinta-feira. Um estudante de 20 anos atirou para o alto na porta da instituição. Detido pela Polícia Militar (PM), ele disse que fez isso porque colegas estavam espalhando boatos sobre a sexualidade dele. 
 
O crime ocorreu por volta das 18h40 em uma escola que fica no Bairro Bonfim. A PM foi acionada via 190. Chegando ao local, populares fizeram a descrição do autor dos disparos, que usava uma camisa de cor vinho. 

Os policiais fizeram um rastreamento e localizaram o suspeito, que usava o uniforme da escola. No entanto, ao revistarem a mochila dele, eles encontraram a camisa vinho mencionada pelas testemunhas. 

De acordo com a PM, ele acabou assumindo ser o responsável pelos tiros, que tinham como objetivo assustar dois alunos. Na versão dele, os colegas estavam comentando que ele mantinha relações sexuais com outro homem e que, em troca disso, usufruía dos bens dele. 

O estudante disse que jogou a arma perto da casa dele, mas ela não foi encontrada pelos policiais no local indicado. Durante a confecção do boletim de ocorrência, um rapaz de 20 anos compareceu ao batalhão da PM para mostrar a troca de mensagens em um aplicativo em que o autor preso combinava com ele de se encontrar na porta da escola para “resolver as diferenças”. Ainda segundo a PM, o atirador parecia muito preocupado com o celular dele, o que fez os policiais suspeitarem que o aparelho armazenava algum arquivo que poderia comprometê-lo judicialmente. O jovem detido foi levado para a Central de Flagrantes da Polícia Civil (Ceflan) 3.

O Estado de Minas entrou em contato com a Polícia Civil e a Secretaria de Estado de Educação  para mais detalhes sobre o caso e aguarda resposta. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade