Publicidade

Correio Braziliense

Polícia deflagra operação em 26 estados e no DF para prender foragidos

Só no Distrito Federal, foram efetuadas mais de 100 prisões


postado em 24/04/2019 20:43 / atualizado em 25/04/2019 07:52

Objetivo da operação era prender acusados foragidos da Justiça em todo o Brasil pelos crimes de roubo, homicídio e estupro(foto: Divulgação/Polícia Civil)
Objetivo da operação era prender acusados foragidos da Justiça em todo o Brasil pelos crimes de roubo, homicídio e estupro (foto: Divulgação/Polícia Civil)

 
As Polícias Civis dos 26 Estados e do Distrito Federal, realizaram nesta quarta-feira (24/4) uma mega operação nacional, nomeada #PC 27, com o objetivo prender acusados foragidos da Justiça em todo o Brasil pelos crimes de roubo, homicídio e estupro. A coordenação da operação ficou por conta do Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil (CONCPC). Cerca de mil mandados de prisão e de busca e apreensão foram expedidos e ao menos 600 foram presas em todo o país.

No Distrito Federal, foram mais de 100 prisões. Outros três homens foram detidos por roubo, violência doméstica e pensão alimentícia. Ceilândia e Samambaia foram as localidades com mais apreensões, segundo a corporação.

Um homem suspeito de manter um adolescente de 14 anos como escravo sexual. De acordo com a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), ele era procurado por estuprar e torturar meninos com idades que variavam entre 9 e 12 anos, na região de Ceilândia. José Evandro de Oliveira, 46 anos. Ele era investigado por esta unidade policial desde o ano de 2018.

Segundo a polícia, uma das vítimas, na época com 12 anos de idade, recebia valores para atrair outras crianças para que fossem violentadas. As crianças eram atraídas para a madeireira em que o criminoso trabalhava, sendo que ao chegarem ao local eram amarradas, torturadas e abusadas sexualmente.

Em São Paulo, mais de 4,5 mil agentes participam das atividades. Participam da ação equipes do Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap), Macro São Paulo (Demacro), Departamentos de Polícia Judiciária do Interior, departamentos estaduais de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Investigações Criminais (Deic),  Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc), de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC) e da Delegacia de Capturas e Delegacia Especiais (Decade). Em Santa Catarina, foram apreendidos mais de R$ 200 mil durante as ações policiais.

O nome da operação é uma referência à padronização de todas as polícias civis das 27 unidades federativas do país. Os mandados de prisão foram expedidos pela Justiça, após trabalho de investigação. Cada uma das polícias civis fez levantamento de inteligência para a operação.

Ao Correio, o diretor da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) e presidente nacional do  Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil (CONCPC), Robson Cândido falou da importância da operação. 

“Além de combater crimes de maior gravidade, também tem um conteúdo pedagógico. Queremos mostrar que as polícias estão nas ruas e independente de qualquer situação que aconteça, estamos juntos e iremos combater a criminalidade. Em Brasília, focamos em crimes mais graves. Durante o ano, também teremos outras operações”, destacou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade