Publicidade

Correio Braziliense

Afastamento de igreja evangélica pode ter motivado chacina em Paracatu

Segundo informações da Polícia Civil e de fiéis da Igreja Batista Shalom, Rudson Aragão Guimarães estava insatisfeito por ter sido retirado de cargo pelo pastor


postado em 22/05/2019 15:25 / atualizado em 22/05/2019 16:58

Hospital onde está internado o autor do crime, Rudson Aragão Guimarães(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Hospital onde está internado o autor do crime, Rudson Aragão Guimarães (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Paracatu (MG) — A cidade de Paracatu, município mineiro a cerca de 240km do centro de Brasília, ainda tenta assimilar a tragédia que resultou na morte de quatro pessoas na noite de terça-feira (21/5), no Bairro Bela Vista. Apesar de ainda não ter interrogado o assassino, a Polícia Civil local suspeita de que Rudson Aragão Guimarães, 39 anos, cometeu os crimes devido a um atrito com o pastor da Igreja Batista Shalom há dois meses, que resultou no seu afastamento do espaço religioso. A hipótese foi reforçada por fiéis do templo evangélico.

"A motivação é o que mais nos intriga no momento, mas durante as investigações conseguiremos evoluir nesse sentido. A princípio, tudo aconteceu devido à sensação de exclusão que Rudson sentia por parte da igreja. Ele foi retirado de um cargo que ocupava na comunidade e excluído de grupo de Whatsapp da igreja. Isso gerou uma indignação grande e chegou ao ápice ontem, quando ele estava bastante alterado e cometeu os crimes", disse a delegada de Homicídios da 2ª Delegacia Regional de Paracatu, Thays Silva.

Membro da Igreja Batista Shalom, Yuri Jordão, 45 anos, diz que Rudson ocupava o cargo de intercessor na igreja. Ele auxiliava o pastor, Evandro Rama, a conduzir orações para os fiéis. Há dois meses, no entanto, após ser alertado de problemas pessoais do assassino, Evandro o retirou da função. Tentou auxiliá-lo, mas Rudson não se mostrou interessado nos conselhos do pastor. Sendo assim, Evandro o expulsou da igreja.

"A partir daí, o Rudson passou a denegrir a imagem do pastor nas redes sociais. Fez várias publicações o ofendendo, o que deixou o pastor muito assustado. Por alguns dias, as atitudes do Rudson cessaram, e nós achamos que tudo estava acabado. Mas aí, ontem ele se rebelou", lamentou Yuri.

Rudson matou três pessoas dentro da Igreja Batista Shalom. O pastor Evandro, que era um dos seus alvos, conseguiu escapar. Revoltado com a fuga do pastor, Rudson abriu fogo contra os fiéis e matou o pai de Evandro, Antônio Rama, 67; Rosângela Albernaz, 50; e Marilene Martins de Melo Neves, 52. A tragédia poderia ter sido maior, pois outras 17 pessoas estavam na igreja e o homicida ainda tinha seis munições intactas. Policiais militares que faziam patrulhamento nas redondezas do prédio impediram o pior e alvejaram Rudson.

De acordo com o boletim médico mais recente emitido pelo Hospital Municipal de Paracatu, o assassino está internado em uma unidade de terapia intensiva (UTI) após ter sido submetido a cirurgia. No momento, ele se encontra clinicamente estável e respira sem a ajuda de aparelhos. O hospital não tem previsão de quando Rudson receberá alta.

Hipótese de feminicídio

Antes da ação sanguinária na Igreja Batista Shalom, Rudson tirou a vida da ex-namorada Heloísa Vieira Andrade, 59, com um golpe de canivete no pescoço dela. A mulher estava na casa da irmã dele. Não está descartada a hipótese de feminicídio. 

"Nesta quarta-feira, vamos fazer a lavratura do auto de prisão em flagrante dele. O inquérito tem prazo legal de 10 dias para ser concluído. Depois de ser liberado do hospital, ele será encaminhado ao presídio e permanecerá à disposição da Justiça. Aí, vai caber à autoridade judiciária competente decidir qual medida vai adotar", detalhou a delegada Thays Silva.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade