Publicidade

Correio Braziliense

Morre menina que teve 80% do corpo queimado em vazamento de gasolina

Ela estava internada desde o último dia 26. Incidente foi provocado por uma tentativa de roubo em um duto em Duque de Caxias


postado em 23/05/2019 15:47 / atualizado em 23/05/2019 15:53

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)


A menina Ana Cristina Pacheco Luciano, 9 anos, morreu na tarde desta quinta-feira (23/5) no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, na Baixada Fluminense. Ela estava internada desde o último dia 26, quando teve 80% do corpo queimado durante um vazamento de gasolina provocado por uma tentativa de roubo em um duto da empresa Petrobras Transporte S.A. (Transpetro) em Duque de Caxias. Outras cinco pessoas ficaram feridas. 

Com o forte cheiro do produto no local, Ana desmaiou ao tentar correr para fora de casa, que fica em frente ao local do vazamento. Ela caiu em uma poça de gasolina. Ela chegou a ser e desde a data da internação o estado de saúde dela era considerado gravíssimo.  Foi cogitada a ideia da transferência dela para o Hospital Pedro II, especializado em queimaduras, mas não foi possível diante do quadro clínico.

Ao Correio, o secretário de Defesa Civil de Duque de Caxias, André Luís Gomes Xavier afirmou na data do ocorrido que o produto é considerado extremamente corrosivo.

“Chegando lá, a névoa estava muito forte porque estava frio, o vazamento já havia ocorrido e a criança estava no chão. Evacuamos a área. A criança mora em frente a perfuração do duto, ela abriu o portão, correu e desmaiou. Nisso, já estava formando uma valeta de gasolina caindo em cima dela. A gasolina que vazou é a do tipo A, a mais forte que existe. E não pode ser comercializada, porque ainda nem foi misturada ao anidro para ser vendida em bombas. O produto tem um cheiro muito forte e queima a pele. Até derreteu uma luva de borracha de um dos agentes da equipe”, explicou.

Na ocasião, a Defesa Civil de Duque de Caxias informou que quatro famílias, com um total de 17 pessoas, precisaram sair de suas casas por causa do vazamento. 

A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu no começo do mês um suspeito de participar da tentativa de roubo de combustível. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade