Publicidade

Correio Braziliense

Conheça a Estação Comandante Ferraz, localizada na Antártica

A nova Estação Comandante Ferraz será inaugurada em março do próximo ano. A reportagem do Correio visitou a base no continente gelado


postado em 26/05/2019 07:00 / atualizado em 26/05/2019 00:38

Os últimos detalhes, como testes em todos os equipamentos, estão sendo feitos pela equipe de militares da Marinha(foto: Jose Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Os últimos detalhes, como testes em todos os equipamentos, estão sendo feitos pela equipe de militares da Marinha (foto: Jose Carlos Vieira/CB/D.A Press)
 Antártica — Até outubro, ninguém chega e ninguém sai do continente antártico. As temperaturas extremas e os fortes ventos, além de um mar extremamente perigoso, impedem qualquer aventura humana. A convite da Marinha do Brasil, o Correio participou da última missão 2018/2019 na região. O foco da jornada à fronteira gelada brasileira eram as ações finais para a inauguração da nova Estação Comandante Ferraz, em março do ano que vem, como destacou, em entrevista na cidade chilena de Punta Arenas, o contra-almirante Sergio Gago Guida, secretário da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (Secirm). Agora começa a fase do comissionamento da estação. “Levaremos os equipamentos até o limite. Precisamos que todas as instalações estejam funcionando sempre em uma situação próxima às quais elas foram projetadas. Não podemos ter falhas”.

Rumo ao desconhecido

Não é você que escolhe ir para a Antártica, é a Antártica que escolhe você. Essa frase foi dita, em pelos menos três ocasiões, por militares da Marinha, responsáveis pela missão que levará a reportagem do Correio ao continente gelado. O início da jornada rumo à Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF) começa em Punta Arenas, no Chile. A previsão de embarque no avião Hércules C-130, da Força Aérea Brasileira (FAB), é às 6h, se o tempo, sempre instável na região mais austral do planeta, permitir.

Estamos no fim de março, a poucos dias para o término do verão, a temperatura na bela cidade chilena está em torno dos 8º C. Ventos moderados. O céu de um azul-escuro acolhe um frio sol avermelhado, que se põe por volta das 20h. Punta Arenas é hoje uma charmosa atração turística com 150 mil moradores localizada na Patagônia chilena.

Agora é meia-noite, faltam algumas horas para o voo. A equipe coordenada pelos comandantes Carla e Felipe (nomes de guerra dos militares da Marinha) avisará qual o horário exato para estar com o grupo base no Hotel Cabo de Hornos. Como dormir numa ansiedade dessas? O jeito é esperar, esperar... À 1h, pelo WhatsApp, a hora do embarque é confirmada: 6h30. Todo o material de viagem precisa ser despachado do hotel às 4h. 

A Antártica é o principal regulador térmico da Terra. A região controla as circulações atmosféricas e oceânicas, influenciando o clima e as condições de vida em todo planeta. As frentes frias, as chuvas que caem em Brasília, por exemplo, têm a ver com sistema antártico. Além disso, a região onde se localiza o Polo Sul guarda uma das maiores reservas de gelo (90%) e água-doce (70%) da nossa Terra. Seus recursos minerais e energéticos são incalculáveis (ouro, petróleo, gás natural), sem falar da biodiversidade, um dos principais focos de atuação dos cientistas brasileiros na região, que buscam substâncias capazes de ajudar na cura de doenças como o câncer, por exemplo.

Responsável pelo Programa Antártico Brasileiro (Proantar), o contra-almirante Sergio Gago Guida, secretário da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (Secirm), dá como exemplo o interesse da Friocruz pela biodiversidade na região. A instituição está entrando no Proantar agora. “Nós temos uma dependência muito grande de importação de material anticongelante para algumas cirurgias. Existem alguns organismos na Antártica que possuem essa capacidade anticongelante e que podem ser estudados e explorados”.

 

Bagagem pesada

Punta Arenas, banhada pelo Pacífico, é o derradeiro pedaço de terra ligado ao continente americano. Depois das águas geladas do Estreito de Magalhães, pequenas ilhas são os últimos torrões da América do Sul. Pelo estreito, cruzam navios mercantes que fazem a rota entre os oceanos Pacífico e Atlântico. Mas, desde a construção do Canal do Panamá, no início do século 20, esse trecho vem perdendo protagonismo comercial.

Carregar para o Hotel Cabo de Hornos a bagagem e os equipamentos de sobrevivência (cerca de 12kg), entregues anteriormente pela Marinha, é a primeira grande e pesada tarefa: botas com forro, casaco corta-vento com capuz, jardineira de tecido impermeável, conjunto capa de chuva, macacão Mustang (quase uma roupa de astronauta), luva e óculos corta-vento são alguns dos acessórios oferecidos pelo Proantar para os pesquisadores e os poucos visitantes da estação.

A viagem começa 

Às 6h45, embarcamos no avião cargueiro Hércules C-130 rumo à base chilena na Antártica Eduardo Frei Montalva. De lá, seguiremos no navio polar Almirante Maxmiano para a estação brasileira. O Hércules parece um grande contêiner voador, passageiros e tripulação se misturam aos equipamentos pesados e mantimentos que serão entregues à EACF, localizado na Ilha do Rei George, na Península de Keller. Os protetores auriculares entregues aos passageiros reduzem pouco o barulho dos potentes motores de 4.590 cavalos.

A aventura começa! Imagens do céu antártico vistas da pequena janela do avião impressionam. O C-130 é uma aeronave de guerra, fabricada pela norte-americana Lockheed, capaz de aterrissar em pistas pequenas ou improvisadas. “Tem capacidade para 20 toneladas de carga. A nossa configuração permite o transporte de 56 passageiros, além da carga da Marinha”, destaca o suboficial Freire, da FAB.

Da cabine do avião, o major Nicolás, comandante do FAB 2467, explica ao Correio os detalhes do trecho aéreo. “Este é o sexto voo do trigésimo sétimo ano da Operação Antártica. Estamos a uma altitude de 6 mil metros, numa velocidade de 520 km/h. Esperamos que os senhores estejam no solo o mais breve possível e em segurança.” Foi mesmo um voo tranquilo, em torno de três horas e meia. Cada passageiro convidado pelo Proantar paga simbolicamente (taxa de embarque) US$ 15 pela viagem.

22 graus abaixo de zero

Antes de o avião tocar no solo da base chilena, o alerta é dado: todos devem se agasalhar totalmente, a sensação térmica no local beira os -22º C. A porta da aeronave se abre. Entramos num mundo gelado, branco... agora dá para entender quando se fala que a Antártica é o local parecido com a Lua. Simbolismo bem metafísico, mas procede.

Rajadas de vento... neve caindo... demais para um repórter que sempre viveu no Planalto Central do Brasil. Tudo, tudo branco, o horizonte tomado por uma névoa quase azul. Com muito esforço, vê-se, fundeado, o navio polar Almirante Maximiano. E como chegar lá?

Botes salva-vidas começam a sair do navio rumo à praia. Teremos de subir nesses botes para chegarmos à embarcação. Mais uma aventura! Qualquer acidente, uma queda n’água, pode resultar em morte por hipotermia. Bastam apenas três minutos, mesmo agasalhado, para vir a óbito. Mas o trabalho dos marinheiros, extremamente treinados, põe em segurança todos a bordo.

Da base chilena à estação brasileira, a duração é em torno de três horas de navio. Pisaremos em solo brasileiro na Antártica no fim da tarde. Teremos apenas quatro horas para a primeira visita à EACF. Depois, voltaremos de bote ao navio, onde dormiremos, pois os equipamentos e móveis da estação só devem chegar no começo do próximo verão, fim de outubro.

Em terras brasileiras

O Almirante Maxmiano, o Tio Max, chega à Baía do Almirantado. O navio polar, que tem um imponente cumprimento de 93,4m, parece um barquinho de papel, tais as dimensões gigantescas do local em que se encontra a estação brasileira. Devagar, a embarcação se posiciona para que possamos ir à terra. As imagens impressionam! As primeiras sensações são de alegria quase infantil, vontade de ficar rindo à toa, extasiado por presenciar uma região em que poucos humanos tiveram a sorte de estar. O repórter do Correio está.


Na preparação para pegar o bote, é necessário usar o macacão Mustang, que pesa em torno de 4kg, a bota especial, uns 2kg, além da roupa interna. E não é fácil vesti-los. Para um marinheiro de primeira viagem, demora ainda mais. Antes da partida à estação, o comandante do navio e capitão de mar e guerra, Candido Marques, informa que a missão terá o retorno ao continente sul-americano antecipado em dois dias, devido ao mau tempo previsto na passagem do Estreito de Drake. O comandante está preocupado com a segurança do navio e da tripulação.

Teremos só a tarde e o dia seguinte para conhecer e circular pela Estação Antártica Comandante Ferraz. Tudo bem, Neil Armstrong e Edwin Aldrin, do Apollo 11, passaram um período de 21 horas na Lua.

Os dois botes com as equipes partem para a base. As águas na Baía do Almirantado estão calmas, apenas os ventos cortantes e gelados atrapalham a travessia. À medida que aproximamos, se percebe a dimensão dos dois blocos recém-construídos, onde ficarão cientistas e militares a partir de março do próximo ano — quando a estação será oficialmente inaugurada.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade