Publicidade

Correio Braziliense

Crise hídrica foi momento de aprendizado, ressalta secretário

Secretário Adjunto da Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural do DF, Luciano Mendes ressaltou que algumas atitudes e projetos precisam ser melhorados


postado em 13/06/2019 11:20 / atualizado em 13/06/2019 11:21

O Secretário Adjunto da Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural do DF, Luciano Mendes, afirmou que ações a favor de consumo consciente da água foram essenciais para evitar maiores impactos na agricultura durante tempos de crises hídricas. A afirmação foi feita no seminário de Segurança Hídrica, no auditório do Correio, na manhã desta quinta-feira (13/6).

Segundo o secretário, os últimos anos de crise hídrica do DF foram angustiantes para a agricultura da região, mas foram momentos de aprendizado para testar novos projetos no espaço rural. "Nos últimos anos, programas como o Reflorestar e  Produtor de Água foram essenciais para menores impactos no setor", disse. De acordo com Mendes, esses programas já implementados serviram para visualizar perspectivas de melhores preparos para crises futuras.

No Distrito Federal, há cerca de 20 mil propriedades agrícolas. De acordo com o secretário, boa parte delas faz uso de cultivo irrigado e as ações mudaram bastante o consumo de água dos produtores. "Tivemos oportunidade de conversar com eles e asseguro que, com as ações, houve bastante qualificação", destacou. Segundo ele, as ações recebiam acompanhamento de agências de água, como a Adasa e a ANA.

Sobre os canais de irrigação, o secretário afirmou que já há implementação de tubulação em vários deles que sofrem com a perda de água. "Temos 72 canais de irrigação no DF e em alguns casos a perda de água chega a 50%", disse.

Outra ação que deve ser intensificada é a melhora de qualidade da água no espaço rural. Segundo o secretário, não chega a 2% as propriedades que possuem saneamento. "Temos certeza que estamos no caminho certo. Nossos programas procuram observar nosso passado e nós procuramos dialogar com produtores", garantiu. 
 
* Estagiária sob a supervisão de Vinicius Nader 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade