Publicidade

Correio Braziliense

Morre, aos 77 anos, o jornalista Paulo Henrique Amorim

De acordo com a Record TV, o apresentador sofreu um enfarte em casa


postado em 10/07/2019 08:28 / atualizado em 10/07/2019 15:23

O jornalista sofreu um ataque cardíaco em casa(foto: Reprodução/TV Record)
O jornalista sofreu um ataque cardíaco em casa (foto: Reprodução/TV Record)
Morreu, na manhã desta quarta-feira (10/7), o jornalista Paulo Henrique Amorim, aos 77 anos. De acordo com a Record TV, a mulher do apresentador, Geórgia Pinheiro, informou que ele sofreu um ataque cardíaco em casa. Além dela, ele deixa uma filha. O corpo do jornalista será velado na quinta-feira, (11/7), das 10h às 15h, na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Centro, Rio de Janeiro.
  
Paulo Henrique Amorim estava na Record TV desde 2003, mas foi afastado no último mês do Domingo Espetacular. Ele começou no jornalismo no jornal A Noite, em 1961. Depois, diz a emissora, foi trabalhar em Nova York, como correspondente internacional da revista Realidade e, posteriormente, da revista Veja.

Ver galeria . 4 Fotos Paulo Henrique Amorim começou a trabalhar como jornalista no jornal
Paulo Henrique Amorim começou a trabalhar como jornalista no jornal "A Noite", em 1961, cobrindo a renúncia do então presidente Jânio Quadros (foto: Pedro Paulo Figueiredo/Cartaz Noticias )

 
Ao longo da carreira, ele também passou pela extinta TV Manchete e pela TV Globo, também como correspondente internacional. Em 1996, foi para a TV Bandeirantes, onde apresentou o Jornal da Band. Depois, foi para a TV Cultura e ficou lá até ir para a Record
 
Paralelamente, o jornalista também editava o Conversa Afiada, um site focado na cobertura política do país que ele criou inicialmente como um blog em 2008. A notícia de sua morte repercutiu no meio profissional e político.

Repercussão

  
A morte do apresentador foi lamentada por órgãos de imprensa e autoridades. "De voz memorável e profissionalismo exemplar, Paulo Henrique Amorim deixa uma carreira marcada por sua competência, inteligência e paixão pela notícia. Aos que o acompanhavam pela televisão e aos colegas de trabalho, o que fica são a saudade e a admiração por seu brilhante trabalho. O jornalismo perde um grande comunicador", escreveu em nota Márcio Novaes, presidente da Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel).

Em nota, o Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo também lamentou a morte de PHA e relembrou a carreira do jornalista. "O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo manifesta, em conjunto com a Federação Nacional dos Jornalistas, seu pesar pela morte do jornalista Paulo Henrique Amorim". 







Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade