Publicidade

Correio Braziliense

Intoxicação por gás pode ser causa de morte de família em Santo André (SP)

Família é encontrada morta em apartamento no ABC Paulista. Polícia suspeita que óbitos estejam associados à asfixia por inalação de monóxido de carbono resultante da queima de gás do aquecedor. Caso lembra fatalidade de brasileiros no Chile


postado em 15/07/2019 06:00 / atualizado em 15/07/2019 08:42

Fachada do edifício onde um casal e os dois filhos, uma criança e um adolescente, morreram intoxicados(foto: reproduçao/Google)
Fachada do edifício onde um casal e os dois filhos, uma criança e um adolescente, morreram intoxicados (foto: reproduçao/Google)
Quatro pessoas de uma mesma família foram encontradas mortas neste domingo (14/7) em um apartamento na rua Haddock Lobo, na Vila Bastos, em Santo André (SP). A polícia ainda investiga o motivo dos óbitos, mas, por não identificar sinais de arrombamento no imóvel, a suspeita é de que todos tenham falecido em decorrência de asfixia por inalação de gás. A tragédia lembra o falecimento de uma família brasileira no Chile, em junho, vítima de intoxicação de gás.

As suspeitas do delegado responsável pelo caso, Roberto von Haydin, são de que o aquecedor a gás do apartamento tenha provocado as mortes. A polícia não identificou uma chaminé acoplada ao aparelho e observou que as janelas estavam todas fechadas. No apartamento, a perícia não encontrou sinais de arrombamento ou violência aos pontos de acesso ao imóvel.

Os quatro foram encontrados mortos pela irmã de um dos moradores, vizinha dos parentes. Dois adultos, um adolescente e uma criança com ascendência oriental foram identificados sem vida quando a polícia chegou. Uma mulher adulta estava no banheiro, dentro do box, com o chuveiro ainda ligado. No sofá, se encontravam um homem adulto e uma criança. Em um dos quartos, havia uma adolescente. 

A perícia acredita que as mortes ocorreram entre sexta-feira, quando a família voltou de uma viagem à Disney, e sábado. O problema, suspeita a polícia, pode ter sido ocasionado no chuveiro. A concentração de monóxido de carbono resultante da queima do gás do aquecedor, sem a ventilação correta para expulsar a toxina, pode ter levado os quatro a óbito. 

 O caso lembra o da morte da família Souza e Kruger, em que seis brasileiros foram encontrados sem vida em um apartamento em Santiago, no Chile. O imóvel havia sido alugado para comemorar o aniversário de uma das vítimas, que completaria 15 anos. A suspeita de bombeiros chilenos era de que os óbitos teriam ocorrido devido a um vazamento de monóxido de carbono resultante de gás natural.

A morte da família é investigada no Chile pelos Carabineiros — o equivalente à Polícia Militar de Santiago — como negligência. O apartamento alugado estava sem vistoria há 15 anos, segundo reportagens da imprensa local. Uma das vítimas telefonou para a corporação informando que todos estavam passando mal e pediram por ajuda. O socorro não chegou, alegando não ter encontrado o endereço. Horas depois, foram encontrados todos mortos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade