Publicidade

Correio Braziliense

Greenfield denuncia 12 por corrupção no fundo de pensão Postalis

Segundo o MPF, os crimes ocorreram entre 2010 e 2011 durante a operação de aquisição, pelo Postalis, de títulos imobiliários oferecidos pela empresa JHSF Participações e pelo Banco Cruzeiro do Sul


postado em 18/07/2019 15:37 / atualizado em 18/07/2019 15:59

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press - Arquivo)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press - Arquivo)
 
 
A força-tarefa Greenfield denunciou, nesta quarta-feira (17/7), 12 pessoas por corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro envolvendo o Fundo de Pensão dos Correios, Postalis. 

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), os crimes ocorreram entre 2010 e 2011 durante a operação de aquisição, pelo Postalis, de títulos imobiliários oferecidos pela empresa JHSF Participações e pelo Banco Cruzeiro do Sul. 

De acordo com as investigações, durante a negociação da compra dos títulos, houve pagamento de propina de, no mínimo, R$ 2.729.835,13 a Alexej Predtechensky, ex-presidente do fundo; Ricardo Oliveira, ex-diretor financeiro; Adilson Florêncio da Costa, ex-diretor executivo e Nelson Luiz de Oliveira, então diretor dos Correios. O valor atualizado ultrapassa os R$ 4 milhões. 

Conforme a denúncia, Alexandre Romano, operador das propinas pagas a Nelson, intermediou aproximação da diretoria dos Correios e do Postalis com Paulo Gazani, dono de empresa contratada para prestar serviços de assessoria financeira. Gazani aceitou pagar vantagem indevida aos funcionários públicos do Postalis e dos Correios para conseguir a aprovação de compra de debêntures da empresa JHSF e do Fundo Verax, gerido pelo Banco Cruzeiro do Sul. 

Conforme informações do MPF, os valores recebidos indevidamente eram lavados por meio de simulação de importações de empresas de fachada, serviços de consultoria prestados por escritório de advocacia e doação à instituição religiosa.  A denúncia aguarda o recebimento pela Justiça Federal. 
 
A reportagem entrou em contato com o Postalis, aguarda resposta do fundo sobre as acusações e busca contato com a defesa dos acusados. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade