Publicidade

Correio Braziliense

Ursa conhecida como a ''mais triste do mundo'' morre em santuário em SP

A ursa Rowena comoveu internautas pelo histórico de maus-tratos, solidão e tristeza. Nos últimos dez meses ela viveu em um santuário adaptado para recebê-la e chegou a engordar 80 quilos


postado em 25/07/2019 08:34 / atualizado em 26/07/2019 10:34

Antes de ser batizada como Rowena, a ursa era chamada de Marsha e sua história comoveu internautas em setembro do ano passado(foto: Biga Pessoa/ Rancho dos Gnomos)
Antes de ser batizada como Rowena, a ursa era chamada de Marsha e sua história comoveu internautas em setembro do ano passado (foto: Biga Pessoa/ Rancho dos Gnomos)
A ursa Rowena, que ficou conhecida como a "mais triste do mundo", morreu na quarta-feira, (24/7), em um santuário de animais em Joanópolis, interior de São Paulo. Ela morava há pouco mais de dez meses no local, que foi adaptado para abrigá-la. 

A notícia foi dada pela organização Rancho dos Gnomos, responsável por cuidar da ursa, nas redes sociais. "É com muito pesar que comunicamos a passagem da nossa querida Rowena. O Rancho dos Gnomos está em luto. No momento, nos faltam as palavras. Todos viram a evolução do amor e cuidado à ela. Pedimos que sejam emanadas vibrações de luz e paz. Rowena segue seu caminho nos deixando saudade, mas certos de que seus últimos meses pôde desfrutar de tudo que lhe foi roubado durante a vida como a dignidade, a compaixão, a benevolência e o respeito", diz o post. (Abaixo a íntegra da nota)

Segundo o santuário, Rowena mudou o padrão de alimentação nos últimos dias. Na quarta-feira,(24), a ursa apresentou um desconforto abdominal, foi medicada e levada ao Hospital Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de São Paulo (USP). A necrópsia acusou que Rowena morreu por causa de complicações de um tumor ovariano muito grave com repercussão no cérebro da ursa. 

Antes de ser batizada como Rowena, a ursa era chamada de Marsha e sua história comoveu internautas. Ela passou 25 anos em um circo, foi resgatada em 2012 em Caxias, no Maranhão, e doada ao parque de Teresina pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), onde enfrentava temperatura média de 40°C, inadequada para o animal de países frios da América do Norte. O resgate foi feito em parceria com a Confederação Brasileira de Proteção Animal (CBPA) e a Força Aérea Brasileira (FAB).

Em setembro de 2018, Rowena foi transferida para o santuário de animais, trocou a pelagem e ganhou 80 quilos nos poucos meses que foi cuidada no local. A ursa chegou a virar personagem de um livro lançado pela cantora Rita Lee.

(foto: Guilherme Samora/Globo Livros )
(foto: Guilherme Samora/Globo Livros )


Toda a saga de Rowena foi reportada pela protetora de animais Luísa Mell, que também lamentou a morte da ursa. "Depois de tanto sofrimento, décadas de exploração, quando ela finalmente encontrou a paz, Deus a levou. Quero acreditar que ela cumpriu sua missão aqui e em paz, livre da exploração e do sofrimento que passou durante mais de 30 anos, descansou", escreveu Luísa em sua página do Instagram. 

Ver galeria . 6 Fotos Rancho dos Gnomos/Reprodução
Rancho dos Gnomos/Reprodução (foto: )

Confira a íntegra da nota divulgada pelo santuário:


"O Brasil conheceu recentemente a história da Ursa mais triste do mundo e que aos poucos, se transformou em uma trajetória digna, de muito amor e respeito. Antes chamada de Marsha, a ursa Rowena comoveu pessoas pela seu histórico de maus-tratos, solidão e tristeza transformados pelo cuidado, zelo e a esperança. O Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos notificou com profunda dor o seu falecimento nesse dia 24 de julho.
Em setembro de 2018 Rowena ganhou uma nova vida após sua transferência para o Santuário Rancho dos Gnomos:

Sua adaptação começou com a alegria de ter um recinto que supria todas as suas necessidades, adaptado por doações ao Instituto Luisa Mell, para sua chegada. Na Serra da Mantiqueira, enfim temperaturas amenas após 7 anos no Zoológico de Teresina-PI e anteriores 20 anos trabalhando em condições muito adversas em circos itinerantes pelo país. Os 10kg diários de frutas nos primeiros meses não foram os únicos responsáveis pela evidente evolução da Ursa; nova pelagem, melhora nos aspectos sensoriais e de mobilidade, mais disposição e um olhar que recebia com gratidão essa nova etapa da sua vida.

Todo o processo desde a transferência foi acompanhado por um time veterinárias e biólogos, coordenados pela Dra Carla Spechoto e Dra Kelly Spitaleti, que contribuíam no bem-estar de Rowena entre a rotina médica e seu equilíbrio físico, mental e espiritual. A ursa mais amada do Brasil foi diagnosticada com um tumor ovariano o qual causou lesões em seu cérebro. Rowena apresentou, então, um episódio convulsivo e veio a óbito em seu recinto.

Os fundadores e mantenedores do Rancho dos Gnomos, Silvia e Marcos Pompeo expressam sua enorme gratidão a todos os apoiadores desse trabalho, que diariamente sonham e realizam juntos os propósitos dessa instituição. Apesar de seu falecimento aos 36 anos, o legado de Rowena perpetua como um símbolo da causa animal e dos sentimentos que rodeiam nossas relações para com esses animais. Sempre muito serena, nos lembra de que maus-tratos não se pagam com maus-tratos, sofrimento não se devolve e o amor é realmente o único caminho para cura e conexão entre todos os seres."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade